Caminhos e Atitudes da Vida

 
“Tudo quanto de desagradável nos sucede na vida – figuras ridículas que fazemos, maus gestos que temos, lapsos em que caímos de qualquer das vir­tudes – deve ser considerado como meros acidentes externos, impotentes para atingir a substância da alma. 
Tenhamo-los como dores de dentes, ou calos da vida, coisas que nos incomodam mas são externas ainda que nossas, ou que só tem que supor a nossa existência orgânica ou que preocupar-se o que há de vital em nós.
Quando atingimos esta atitude, que é, em outro modo, a dos místicos, estamos defendidos não só do mundo mas de nós mesmos, pois vencemos o que em nós é externo, é outrem, é o contrário de nós e por isso o nosso inimigo.
Disse Horácio, falando do varão justo, que ficaria impávido ainda que em torno dele ruísse o mundo. 
A imagem é absurda, justo o seu sentido. Ainda que em torno de nós rua o que fingimos que somos, porque coexistimos, devemos ficar impávidos – não porque sejamos justos, mas porque somos nós, e sermos nós é nada ter que ver com essas coisas externas que ruem, ainda que ruam sobre o que para elas somos.
A vida deve ser, para os melhores, um sonho que se recusa a confrontos.”


Fernando PessoaO Livro do Desassossego

A beleza dos cavalos

Essa é a história sobre Homens e cavalos. Essa é a história de todos nós.
Cavalos galopavam, rapidamente, e parecia que os homem que os cavalgam se dirigiam a algum lugar importante. 
Outro homem, em pé ao lado da estrada, grita: “Aonde vocês estão indo?” 
E um dos homens a galope responde: “Não sabemos. Pergunte aos cavalos!” 
Estamos todos sobre cavalos e não sabemos aonde nos conduzem. Não conseguimos pará-los. 
Os cavalos são a vida que nos guia, e somos impotentes diante dela. Estamos sempre correndo, e isso já se tornou um hábito. Estamos acostumados a lutar o tempo todo, até mesmo durante o sono. Estamos em guerra com nós mesmos, e é fácil declarar guerra aos outros também.
Precisamos aprender acalmar nossos pensamentos, a força de nossos hábitos, nossa desatenção, bem como as emoções intensas que nos regem. 
Quando uma emoção nos assola, ela se assemelha a uma tempestade, que, muitas vezes, chega de mansinho, mas provoca estragos, levando consigo a nossa paz. 
Nós ligamos a TV e depois a desligamos, pegamos um livro e depois o deixamos de lado. O que podemos fazer para interromper este estado de agitação? Como podemos fazer cessar o medo, o desespero, a raiva e os desejos?  
A força dos hábitos costuma ser mais forte do que nossa vontade. Dizemos e fazemos coisas que não queremos e depois nos arrependemos, causando sofrimento a nós mesmos e aos outros, e, de forma geral, produzindo grande quantidade de destruição. 
Podemos ter a firme intenção de nunca mais fazer isso, mas sempre acabamos fazendo de novo. Por quê? Porque a força do hábito acaba vencendo e nos conduzindo.
Que tal, a partir de agora, observarmos melhor a beleza dos cavalos?

Os Selos que recebi

Este Belíssimo Selo de  Amizade recebi da amiga Graciete –
poetisa de além-oceano, pessoa sensível, amável e graciosa
Um grande beijo para ti!!

Recebi este gracioso selo de meu amigo Jorge
Obrigado meu amigo por sua lembrança
Seguindo o esquema, vamos as regras:

Escrever 10 coisas que não me saem da cabeça, e indicar para 10 blogs que também não me saem da cabeça.

1-Deus
2-Família
3-Evangelho no Lar

4-Amar o próximo

5-Fortalecer a espiritualidade 
6-Desenvolver da melhor forma possível minha profissão
7-Amigos
8-Auto-conhecimento

9-Passeios
10-Viver a vida, aproveitando sua beleza



Agora vamos às indicações:

1- Graciete – http://osmeuslamentos.blogspot.com/
2- Jacke – http://paravivermelhoremaisfeliz.blogspot.com/
3- Gimbras – http://gimbras.nofuturo.com/
4- Dri Viaro -http://adrianaviaro.blogspot.com/
5- Carlos bayma- http://osho-br.blogspot.com/
6- Cibele Camargo –http://cibelecamargo.blogspot.com/
7- Norma Villares- http://normavillares.blogspot.com/
8- Cristina Bernardes- http://fasciniodaspalavras.blogspot.com/
9- Adélia- http://wisheslife.blogspot.com/
10- Lelliramz- http://lelliramz.blogspot.com/

A sua lâmpada

Aladim caminhava por uma viela estreita e escura quando um cálido brilho no chão chamou sua atenção.
Aproximando-se, viu que era uma lâmpada.
Olhava, curiosamente, por vários ângulos quando viu sob a poeira que a cobria algo que parecia ser algum escrito.
Passou a mão no local e subitamente uma grande luz branca começou a surgir do bico da lâmpada.
Aladim assustou-se e deixou cair a lâmpada, enquanto uma grande forma humana ia se formando no espaço antes vazio.
Ao invés de terminar em pés, suas pernas se afunilavam na direção do bico da lâmpada.
A forma algo fantasmagórica flutuava envolta por uma aura oscilante.
Antes que Aladim pudesse sequer avaliar a situação, a forma disse com voz grave e firme :
— Sou o Gênio da Lâmpada, e você tem direito a um desejo.
Recobrando-se, Aladim compreendeu logo a situação e, sem questionar porque era um só desejo, já ia dizendo algo quando o Gênio continuou :
— Mas há três condições.
Três condições ? Como pode haver condições para atender aos desejos ?
Aladim continuou ouvindo.
— Primeira condição : o que quer que você deseje, deve se realizar antes em sua mente.
Aladim já ia perguntar o que isto queria dizer, mas o Gênio não deixou :
— Segunda condição : o que quer que você deseje, deve desejar integralmente, sem conflitos interiores.
Desta vez Aladim esperou.
— Terceira condição : o que quer você deseje, deve sempre ser capaz de permanecer desejando para continuar a ter.
Aladim, ansioso por dizer logo o que queria, fez o primeiro desejo assim que pôde falar :
— Eu quero um milhão de dólares !
E o gênio:
— Já se imaginou tendo um milhão de dólares ?
Aladim agora entendera o que queria dizer a primeira condição.
No mesmo instante vieram à sua mente imagens de si  próprio nadando em dinheiro, comprando muitas coisas. Mas ao imaginar, questionou-se se teria que compartilhar parte do dinheiro com pobres ou outras pessoas.
Aí entendeu a segunda condição, e percebeu que seu desejo não poderia ser atendido.
Aladim buscou, então, algum desejo que poderia ter sem conflitos.
Pensou, pensou, buscou e por fim disse ao Gênio :
— Senhor Gênio, eu quero uma companheira bela, sábia e carinhosa.
Aladim tinha se imaginado com uma mulher assim e sentiu que aquilo ele queria de verdade, sem qualquer conflito.
O Gênio fez um gesto e de sua mão saiu um feixe de luz esverdeada na direção do coração de Aladim.
Este teve uma visão, como um sonho, de estar vivendo com uma mulher bela, sábia e carinhosa por vários anos.
E viu-se então enjoado, não a queria mais depois de tanto tempo.
Voltando à realidade, Aladim lembrou-se das cenas e viu que aquele desejo também não poderia ser atendido.
Entristeceu-se, pensando que jamais poderia querer e continuar querendo algo sem conflitos.
Algo aparentemente aconteceu.
O rosto de Aladim iluminou-se, e ele disse ao gênio que já sabia o que queria.
— Sim? O Gênio foi lacônico. Aladim completou, em um só fôlego :
— Eu desejo que você me dê a capacidade de realizar os desejos de minha mente, sem conflitos !
Algo inesperado aconteceu : o gênio foi soltando-se da lâmpada e formaram-se duas pernas completas no seu corpo. Então, ele desceu, vagarosamente, até apoiar-se no chão, em frente a Aladim, que o fitava com expressão de espanto e interrogação.
— Obrigado, disse o Gênio, sorridente.
— Não compreendo, disse Aladim.
Estava escrito que eu seria libertado quando alguém desejasse algo, compreendendo que a realização destes desejos depende de si próprio.

O Rio dos Sentimentos

“Nossos sentimentos desempenham um papel muito importante por dirigirem todos os nossos pensamentos e ações. Existe em nós um rio de sentimentos, no qual cada gota d’água é um sentimento diferente e cada um depende de todos os outros para sua existência. Para observar esse rio, sentamo-nos à sua margem e identificamos cada sentimento à medida que ele vem à tona, passa por nós e desaparece.

Há três tipos de sentimentos — agradáveis, desagradáveis e neutros. Quando temos um sentimento desagradável, podemos querer afastá-lo. O mais eficaz é voltar à nossa respiração consciente e apenas observá-lo, identificando-o em silêncio para nós mesmos. “Inspirando, sei que há um sentimento desagradável em mim. Expirando, sei que há um sentimento desagradável em mim.” Chamar o sentimento pelo seu nome, “raiva”, “tristeza”, “alegria” ou “felicidade”, nos ajuda a identificá-lo com clareza e reconhecê-lo em maior profundidade.

Podemos usar nossa respiração para entrar em contato com nossos sentimentos e aceitá-los. Se nossa respiração for leve e tranqüila — resultado natural da respiração consciente — nossa mente e nosso corpo irão lentamente se tornando leves, tranqüilos e claros. E da mesma forma nossos sentimentos. A observação plenamente consciente se baseia no princípio da “não-dualidade”: nosso sentimento não está separado de nós nem foi causado apenas por algo externo a nós. Nosso sentimento é nosso eu, e temporariamente nós somos esse sentimento. Não submergimos nesse sentimento, nem nos aterrorizamos com ele, tampouco o rejeitamos. Nossa atitude de não nos agarrarmos aos nossos sentimentos e de tampouco rejeitá-los é a atitude de desapego, uma parte vital da prática da meditação.

Se encararmos nossos sentimentos desagradáveis com cuidado, afeição e não-violência, podemos transformá-los naquele tipo de energia que é saudável e que tem a capacidade de nos nutrir. Através da observação consciente, nossos sentimentos desagradáveis podem ser muito esclarecedores para nós, proporcionando-nos revelações e compreensão a respeito de nós mesmos e da nossa sociedade.”

Thich Nhat Hanh

Obscuro da Alma

“Obscuro
No escuro íntimo
Seu maior inimigo
Você
 
Aquele que sabe tudo
Aquele que te denuncia
Aquele que te acusa
Aquele que te satisfaz os desejos
 
Você
Alma encarcerada nesta carcaça
Alma aprendiz
Aprendes?
 
Luta em confusões
De sentimentos
De emoções
E vive a tormenta
 
Quem sabe
Um dia te reconhecerás
E soltarás as amarras
Dessa veste chamada corpo

Só se você permitir….

Era uma vez um grande samurai que vivia perto de Tóquio…..
Mesmo idoso, se dedicava a ensinar a arte zen aos jovens.
Apesar de sua idade, corria a lenda de que ainda era capaz de derrotar qualquer adversário.
Certa tarde, um guerreiro, conhecido por sua total falta de escrúpulo, apareceu por ali.
Queria derrotar o samurai e aumentar sua fama.
O velho aceitou o desafio e o jovem começou a insultá-lo.
Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou insultos, ofendeu seus ancestrais.
Durante horas, fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível.
No final do dia, sentindo-se já exausto e humilhado, o guerreiro retirou-se.
E os alunos, surpresos, perguntaram ao mestre como ele pudera suportar tanta indignidade.
— Se alguém chega até você com um presente e você não o aceita, a quem pertence o presente ?
— A quem tentou entregá-lo, respondeu um dos discípulos.
— O mesmo vale para a inveja, a raiva e os insultos.
Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo.
A sua paz interior depende exclusivamente de você.
As pessoas não podem lhe tirar a calma.
Só se você permitir…

Meu avô já dizia….

Lembro-me, lá na minha infância, de meu avô paterno: “boca fechada não entra mosquito e não fala bobagem”. Quem fala muito não ouve. As pessoas encontram uma dificuldade muito grande no silêncio. Parecem fugir de seus barulhos interiores. Basta observar duas pessoas em uma sala de espera. O silêncio torna-se algo constrangedor. Soa até como arrogância alheia, como algo ofensivo. Que se faz então? A opção mais óbvia: falar bobagens e futilidades. Começa, então, a disputa pelo ouvido alheio, afinal todo mundo quer ser ouvido.
Mas, o aprendizado do ouvir não se encontra na escola. Assim como, também, o que se pronuncia. 
Ouvir é muito bom. Oferece-nos oportunidades e aprendizagens incríveis. 
A vida tem que ser baseada em nossos 5 sentidos fundamentais, através dos quais conseguiremos aprender, filtrando o que nos faz evoluir como indivíduos. 

“Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas.”
Confúcio