Nossas tarefas

“Se o seu trabalho nesta vida é modesto, não se desculpe por isso. 
Orgulhe-se, porque você está executando a tarefa que lhe foi dada pelo Pai. 
Ele precisa de você exatamente nesse lugar.
As pessoas não podem desempenhar, todas elas, o mesmo papel. 
Quando você trabalhar com o único objetivo de agradar a Deus, as forças cósmicas harmoniosamente lhe assistirão.”
Paramahansa Yogananda

O que deseja o ser humano?

Uma donzela estava um da sentada à beira de um riacho deixando a água do riacho passar por entre os seus dedos muito brancos, quando sentiu o seu anel de diamante ser levado pelas águas. Temendo o castigo do pai, a donzela contou em casa que fora assaltada por um homem no bosque e que ele arrancara o anel de diamante do seu dedo e a deixara desfalecida sobre um canteiro de margarida.
O pai e os irmãos da donzela foram atrás do assaltante e encontraram um homem dormindo no bosque, e o mataram, mas não encontraram o anel de diamante. E a donzela disse:
— Agora me lembro, não era um homem, eram dois.
E o pai e os irmãos da donzela saíram atrás do segundo homem e o encontraram, e o mataram, mas ele também não tinha o anel. E a donzela disse:
— Então está com o terceiro!
Pois se lembrava que havia um terceiro assaltante. E o pai e os irmãos da donzela saíram no encalço do terceiro assaltante, e o encontraram no bosque. Mas não o mataram, pois estavam fartos de sangue. E trouxeram o homem para a aldeia, e o revistaram e encontraram no seu bolso o anel de diamante da donzela, para espanto dela.
— “Foi ele que assaltou a donzela, e arrancou o anel de seu dedo e a deixou desfalecida” – gritaram os aldeões, “Matem-no!”
— “Esperem!”, gritou o homem, no momento em que passavam a corda da forca pelo seu pescoço. “Eu não roubei o anel. Foi ela que me deu!”
E apontou para a donzela, diante do escândalo de todos.
O homem contou que estava sentado à beira do riacho, pescando, quando a donzela se aproximou dele e pediu um beijo. Ele deu o beijo. Depois a donzela tirara a roupa e pedira que ele a possuísse, pois queria saber o que era o amor. Mas como era um homem honrado, ele resistira, e dissera que a donzela devia ter paciência, pois conheceria o amor do marido no seu leito de núpcias. Então a donzela lhe oferecera o anel, dizendo “Já que meus encantos não o seduzem, este anel comprará o seu amor”. E ele sucumbira, pois era pobre, e a necessidade é o algoz da honra.
Todos se viraram contra a donzela e gritaram: “Rameira! Impura! Diaba!”, e exigiram seu sacrifício. E o próprio pai da donzela passou a forca para o seu pescoço.
Antes de morrer, a donzela disse para o pescador:
— A sua mentira era maior que a minha. Eles mataram pela minha mentira e vão matar pela sua. Onde está, afinal, a verdade?
O pescador deu de ombros e disse:
— A verdade é que eu achei o anel na barriga de um peixe. 
Mas quem acreditaria nisso? 
O pessoal quer violência e sexo, não histórias de pescador. 
Luís Fernando Veríssimo

CLIC…

“Quando esta velha nave espacial do mundo for um
dia a pique
não haverá iceberg nenhum que o explique… Apenas
um de nós, em desespero
– como quem se livra de terrível dor de cabeça
com uma bala rápida no ouvido –
Vai apertar o primeiro botão:
Clic!
Tão simples… E os mais espertos venderão,
  a preços populares, arquibancadas na lua
Ou caríssimos camarotes de luxo
Para que possam assistir à nossa ÚLTIMA FUNÇÃO
O perigo
É que a arquibancada desabe
ou que a própria lua venha a cair no caldeirão fervente.
Enquanto isso, Deus que afinal é clemente,
põe-se a cogitar na criação, em outro mundo,
de uma nova humanidade
– sem livre-arbítrio –
Principalmente sem livre-arbítrio…
Mas com esse puro instinto animal
Que o homem do botão atribui apenas às espécies
inferiores.”
Mario Quintana
 
( excelente sugestão da assídua leitora Vida )

Trilhas

Quando ficar irritado, frustrado ou impaciente, lembre-se do que é realmente importante na sua vida.

Pergunte-se se vale mesmo a pena gastar seu tempo e energia com tanto transtorno e frustração. Às vezes reagimos por força do hábito e nos irritamos com coisas que na realidade não têm importância. Este tipo de comportamento gasta uma energia enorme, que poderia ser direcionada para o que realmente importa.

Quando você começa um novo dia, antes de ser atropelado por prazos de entrega, “precisamos disso” e “queremos aquilo”, reserve um momento para pensar no que é realmente importante para você.

Coloque tudo isso em perspectiva. 

Concentre-se no todo. 
Isso o ajudará a ir na direção certa.

Martian Child

Você já teve a sensação de estar deslocado, de ser diferente, de não pertencer a lugar algum?

Provavelmente isso já deve ter acontecido em algum momento com você.
”Ensinando a viver” –é um filme baseado na novela The martian child, do escritor americano Jerrold David Friedman e fala exatamente sobre essa sensação, através do relacionamento entre um homem e seu filho adotivo – ambos com a sensação de se sentirem deslocados no mundo.
A história relata quando David (ator John Cusack) era criança e sempre se sentia excluído, discriminado, perseguido por outras crianças na escola, e sonhava com o dia em que ETs viriam resgatá-lo e levá-lo para casa, em outro planeta. Eles nunca vieram, David cresceu, tornou-se um escritor de sucesso e pai adotivo do problemático Dennis, que acredita ser um marciano em missão na Terra!
Este filme divertido e emocionante aborda questões como o poder redentor do amor e o real significado de família. Também fala positivamente da adoção de órfãos. O conceito principal do filme e a sua execução são muito bons: fala de dois seres humanos que se conectam.
Vale a pena assistir ao filme e observar as mensagens.
A coragem se ser feliz depende unica e exclusivamente de cada ser humano.

Vida de tartaruga

Uma família de tartarugas decidiu sair para um piquenique. As tartarugas, sendo naturalmente lentas, levaram sete anos para prepararem-se para seu passeio. Finalmente a família de tartarugas saiu de casa para procurar um lugar apropriado. Durante o segundo ano da viagem encontraram um lugar ideal!
Por aproximadamente seis meses limparam a área, desembalaram a cesta de piquenique e terminaram os arranjos. Então descobriram que tinham esquecido o sal. Um piquenique sem sal seria um desastre, todas concordaram. Após uma longa discussão, a tartaruga mais nova foi escolhida para voltar em casa e pegar o sal, pois era a mais rápida das tartarugas. A pequena tartaruga laamentou, chorou, e esperneou.
Concordou em ir mas com uma condição: que ninguém comeria até que ela retornasse. A família consentiu e a pequena tartaruga saiu.
Três anos se passaram e a pequena tartaruga não tinha retornado. Cinco anos… Seis anos… Então, no sétimo ano de sua ausência, a tartaruga mais velha não agüentava mais conter sua fome. Anunciou que ia comer e começou a desembalar um sanduíche.
Nesta hora, a pequena tartaruga saiu de trás de uma árvore e gritou:
Ahhãããããã! Eu sabia que vocês não iam me esperar. Agora que eu não vou mesmo buscar o sal.
Descontando os exageros da estória, na nossa vida as coisas acontecem mais ou menos da mesma forma. Nós desperdiçamos nosso tempo esperando que as pessoas vivam à altura de nossas expectativas. Ficamos tão preocupados com o que os outros estão fazendo, que deixamos de fazer nossas próprias coisas.