Vivendo mais

“Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos
o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções
irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado
do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter
tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que
gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas
as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um
amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os
momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas
angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma
pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez
companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um
verso:

Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos, nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do
sofrimento,perdemos também a felicidade.

A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional…”

Carlos Drummond de Andrade

Escreva a história

Se você está com olhos bem abertos, experimente fechá-los… Agora abra-os somente para o lado de dentro. Chegou a hora de visitar por uns instantes seu mundo interior.

Passeie calmamente aí por dentro de você, detendo-se longamente às boas imagens que você tem guardadas.

Não há qualquer problema em visitar o seu arquivo, ou o seu velho baú, desde que seja para buscar inspiração no passado, alimentar e dar força ao presente. Atenha-se ao que de mais precioso você viveu.

Alguém especial vem se formando e se moldando pelo tempo e pela história desse tempo. Você é feliz pelo sonho de criança que você vem cultivando dia após dia, ano após ano. Se quiser abrir os olhos, abra-os bem e procure revelar a criança que ainda brilha em você.

Agradeça. A vida é dinâmica. Hoje vai ser mais um dia na construção da sua história.
As cenas do dia que começa também vão ficar marcadas, e você poderá revisitá-las. Hoje você escreve mais uma boa página nessa história.

Está no ar a criança que você sempre preservará dentro de si. Coração aberto, sorriso pronto, abraço fácil, beijo sincero.

Na rua, no trabalho, em casa, todo mundo vai notar que está diante de alguém muito especial.

Beijo de Luz no Coração

 
Recebi o selo “Um beijo de luz no coração” de meu garnde amigo Jorge  – 
                 http://nectantaurus.blogspot.com/    
Ofereço-o, com muito carinho e reconhecimento, a todos os meus amigos e simpatizantes do blog:
*  http://lamentosdealma.blogspot.com/Franciete
*  http://mayshay.blogspot.com/Maysha
* http://experimental-leonor.blogspot.com/Leonor
* http://angel-acasos.blogspot.com/Angel
* http://carinhos-entremeios.blogspot.com/Angela
  Um grande e fraternal abraço a todos

Sorrir é o melhor remédio

O sorriso alegre e o sentimento de gratidão produzem sangue puro e sadio. 
Por mais remédios que alguém tome para estimular a produção de alegria, isso de nada lhe adiantará se ele estiver turvando o sangue com a mente sombria. 
Muitos doentes não conseguem a cura por essa razão. 
Deteriorando- se a mente, deteriora-se o corpo; deteriorando- se a mente, deterioram-se a vida.
Diz-se que “a felicidade entra no lar onde soam risos de alegria”. 
Nenhum método de promover a saúde e a felicidade é melhor do que o sorriso alegre.

Uma questão de escolha semântica

 

Todos conhecem a história de estar no fundo do poço. Mas quão fundo se pode cair? Quão difícil pode ser a tentativa de subir?
Às vezes uma pessoa desenvolve um pessimismo total. A vida torna-se vazia, sem sentido. O colorido desaparece e tudo ganha tons acinzentados.
Às vezes ouço pessoas que falam que não há mais sentido em viver. Porque viver?
É mais fácil acabar tudo de uma vez por todas, é o que dizem.
Como se a única expectativa fosse olhar para as paredes lodosas de um poço profundo.
Já não há mais forças ou vontade de tentar escalar.
Mas será impossível?
Se essa pessoa encontrasse molas enterradas no fundo desse poço e as usasse para ganhar impulso em um salto, seria uma solução?
Se essa pessoa tivesse um galho de árvore pendente à boca do poço seria uma solução?
Bela idéia, pois poderia ganhar impulso no salto e se agarrar ao galho da árvore.
Mas a mola e o galho não bastam para que saia do poço.
Ainda é necessário que queira se agarrar. É fundamental que queira se segurar ao galho.
Não existe mola ou galho no mundo que tire alguém de um poço se a pessoa não quiser.
A mola pode lhe oferecer a propulsão que precisava, mas, ainda assim, suas pernas terão que se movimentar. O galho pode servir-lhe para acabar de sair de dentro das paredes, mas, mesmo assim, precisará de suas mãos para segurar.
Enfim, a vida pode lhe oferecer molas e galhos. Mas você quer movimentar pernas e mãos?
É mais fácil reclamar de tudo, ao invés de lutar? É preferível acomodar-se no fundo do poço e esperar o fim? É mais fácil fugir da vida?
Pense nisso: Troque o poço pelo posso

Experiências da Evolução

“Cada dia é uma nova vida, uma nova experiência. Cada experiência é um degrau para o progresso da alma. 
Não fique preso ao passado. 
Você está, agora, diante de uma nova experiência. 
Dedique-se a ela de corpo e alma, e verá surgir o próximo degrau de evolução.”
Masaharu Taniguchi