Os dias passam

Fiz uma viagem na pintura do horizonte….

No matiz maravilhoso do crepúsculo
divaguei, divaguei….
Que espanto!!
Os dias passam tão rapidamente
e nem nos damos conta
de todas as maravilhas que
poderíamos observar
a cada dia.


Sentimentos dentro da Alma
Amores, rancores…
Paixões, solidões….
Emoções manifestam-se
Nessa natureza humana,
tão pequena diante do todo,
Mas tão gigante em si mesma!


Aproveite um novo ciclo que se inicia
Repense sentimentos, palavras e atitudes
Viva intensamente! 
Observe as belezas que Deus lhe proporcionou.

Noite feliz

Sempre adorei essa época do ano. A proximidade do Natal parece criar uma atmosfera mágica.
Quando éramos crianças aguardávamos ansiosamente essa data. Obviamente a figura do papai Noel povoava nossas imaginações, assim como de todas as crianças. As meias todas penduradas nas janelas e até mesmo na árvore cheia de luzinhas piscantes. Passávamos o dia todo, da véspera de Natal, aguardando a meia-noite chegar. Sabíamos que nesse momento os corações pulsariam mais fortes, já que era quando o bom velhinho deixaria sorrateiramente os presentes para a criançada. Que felicidade!!! E depois de aproveitarmos a ceia de Natal maravilhosa, corríamos para aproveitar os brinquedos. Tempos tão bons!!
Ainda mantenho a chama acesa do Natal dentro do lar.
E nessa atmosfera mágica, peço ao papai Noel que deixe em todos os lares a alegria da vida.
Que todos os lares sejam abençoados com paz, saúde, harmonia e toda a luz de Cristo.
Desejo a todos os amigos um Natal maravilhoso e com muito amor nos corações.
Um grande e fraterno abraço!

Céu e Inferno íntimos

Mais uma bela lição sobre as escolhas individuais.

Conta-se que, certo dia, um samurai, grande e forte, conhecido por sua intolerância, foi procurar um sábio monge em busca de respostas para suas dúvidas.

– Monge, disse o samurai com desejo sincero de aprender, ensina-me sobre o céu e o inferno.
O monge, de pequena estatura e muito franzino, olhou para o bravo guerreiro e, simulando desprezo, disse-lhe:
– Eu não poderia ensinar-lhe coisa alguma, você está imundo. Seu mau cheiroé insuportável. Além do que, a lâmina da sua espada está enferrujada. Você é uma vergonha para a sua classe.
O samurai ficou transtornado. O sangue subiu-lhe à cabeça e ele não conseguiu dizer nenhuma palavra, tamanha era sua raiva. Com os olhos crispados, empunho sua espada, ergueu-a sobre a cabeça e se preparou para decapitar o monge.
– “Aí começa o inferno”, disse-lhe o sábio mansamente.
O samurai ficou imóvel, estupefato.
A sabedoria daquele pequeno homem o impressionara. Afinal, arriscara a própria vida para lhe ensinar sobre o inferno.
O feroz guerreiro abaixou lentamente a espada e agradeceu ao monge pelo valioso ensinamento.
O velho sábio continuou em silêncio. Passado algum tempo o samurai, já com o ânimo pacificado, pediu humildemente ao monge que lhe perdoasse o gesto infeliz.
Percebendo que seu pedido era sincero, o monge, então, falou: “Aí começa o céu”.
Para nós, resta a importante lição sobre o céu e o inferno que podemos construir em nosso próprio íntimo. Tanto o céu quanto o inferno, são estados de ânimo, que nós mesmos escolhemos em nosso dia-a-dia.
A cada instante somos mobilizados a tomar decisões que definirão o início do céu ou o começo do inferno. É como se todos fôssemos portadores de uma caixa invisível, onde houvesse ferramentas e materiais de primeiros socorros. Diante de uma situação inesperada, podemos abri-la e lançar mão de qualquer dos objetos disponíveis em seu interior. Assim, quando alguém nos ofende, podemos empunhar o martelo da ira ou usar o bálsamo da tolerância. Atacados pela calúnia, podemos usar a foice do revide ou a pomada da autoconfiança. Quando a injúria bater em nossa porta, podemos usar o aguilhão da vingança ou o óleo do perdão. Diante de enfermidade inesperada, podemos lançar mão do ácido corrosivo da revolta ou empunhar o escudo da confiança.
Enfim, surpreendidos pelas mais diversas e infelizes situações, poderemos sempre optar por abrir fossos de incompreensão ou estender a ponte do diálogo que nos possibilite uma solução feliz.

A decisão depende sempre de nós mesmos. 

Somente de nossa própria vontade decorrerá o nosso estado de ânimo.
Portanto, criar portais para o céu ou cavar abismos para o inferno em nosso íntimo, é algo que não depende de ninguém, pois somos os únicos responsáveis.

Mentirinha travessa

Há um abismo entre “não conseguir ser feliz” e “não se permitir a felicidade”.
“Felicidade”- Apenas uma palavra que simboliza contextos tão amplos e variados.
Quem não quer ou não a busca? Dizer o contrário poderia ser uma mentirinha ou uma maneira travessa na tentativa de burlar a si mesmo. No final das contas, ainda é o tipo de sentimento que está presente no topo das listas de desejos.
Contudo, a maior parte dos seres humanos afirma nunca atingir esse objetivo. Mas como pode? Será tão difícil? É algo tão impalpável?
E aqui cabe um parêntesis importante. Os sentimentos, de forma geral, são realmente impalpáveis. É impossível mensurar felicidade ou tristeza, assim como raiva, ansiedade, etc. O sentimento cabe a quem o sente e, ainda assim, as emoções manifestas nem sempre serão a melhor representação do que se passa dentro do indivíduo.
Mas retornando à felicidade tão almejada, é possível observar que muitas pessoas são felizes – ou pelos menos deveriam ser ou assim sentir – mas ainda procuram o impalpável.
Muitas pessoas afirmam categoricamente que jamais alcançariam a felicidade. Sentem-se indesejadas, mal amadas, azaradas e toda uma lista de adjetivos que a categorizam como o pior ser do mundo. Porém, nada fazem para mudar tudo isso. É mais fácil passar a vida reclamando a infelicidade. São as pessoas que “não se permitem a felicidade”.
Mas “não conseguir ser feliz” vai além disso.
Se você acha que não consegue ser feliz seria interessante reavaliar suas escolhas. Repense suas atitudes e sua maneira de reagir diante de todas as circunstâncias da vida.
Será que você é ou não?
Consegue ou permite-se?

Castração

Você é o que pensa ser ou o que a sociedade determina que seja?
Seus sentimentos realmente lhe pertencem?

“Por vezes ou quase a todo instante o dilema.

Devo ser ou determinado serei.

Sendo “bonzinho”, amável e “bom tudo”

Seria eu mesmo?

Se não aceito determinações ou castrações,

Seria eu um pária?

E nesse conflito existencial

Deixo-me à mercê

De meus sentimentos.”