Os olhos que vi

“Esse menino é adotado, mas nunca me deu felicidade”
Ainda ecoa a frase em meus ouvidos, quase como um mantra que se repete involuntariamente em minha mente.
Como tem sido habitualmente, apresenta-se uma mãe com um filho. O diagnóstico ou veredicto já, antecipadamente, consumado não poderia ser outro: “esse menino é hiperativo”
Não quero me prender a esse diagnóstico, que já se tornou mais um alvo de modismos psicopatológicos. Mas chamou atenção a frase que ouvi.
Primeiramente, se dividirmos a frase “esse menino é adotado, mas nunca me deu felicidade” seria possível algumas interpretações a respeito.
Você adota uma criança para dar-lhe felicidade ou o contrário?
Quando você adota uma criança é obrigado ou o faz voluntariamente?
Se você adota uma criança, acha que tem realmente direito de fazer esse tipo de cobrança?
Quais as formas de se conseguir felicidade, principalmente nesse relacionamento?
Assim, as perguntas vão surgindo e, como um gêiser, fazem entrar minha mente em ebulição.
Mas, há um adágio popular que diz: “o que os olhos não vêem, o coração não sente”. Infelizmente meus olhos viram e meu coração sentiu.
Vi o sentimento nos olhos dessa criança ao ouvir a frase da mãe. Não preciso descrever a tristeza.
E, surpreendentemente…ou não, no mesmo instante que seus olhos clamavam por compaixão, exclama: “ahh, poxa!” e abraça a mãe com carinho.
O que você espera ao presenciar todo o diálogo, a cena, os olhares e os sentimentos que se escancaram nestes olhares?
E, após muitas perguntas direcionadas aos dois e muita observação, o gêiser mental inicia sua nova erupção de questionamentos.
Quem dos dois estaria precisando de mais ajuda nesse momento?
Todos os comportamentos de inquietude dessa criança não seriam uma maneira de conseguir atenção dos pais para si? Não seria uma maneira de conseguir o afeto que sempre desejou?
Notadamente era um garoto muito esperto, extrovertido e comunicativo. Mas um olhar, mesmo que de relance, diz tudo. Sim, tinha, por vezes, aquele olhar de tristeza, de vazio.
A mãe dizia: ” você acaba com seu pai que está doente. Ele não te aguenta.” E o filho respondia com um sorriso amarelado: “mas eu amo meu pai, assim como te amo. Mas às vezes não sei demonstrar o que sinto”
Enfim, creio que seria uma verdadeira aula sobre os relacionamentos humanos e todos os seus sentimentos e emoções possíveis….ou impossíveis.
Amar, ou dizer que ama pode ser muito mais fácil do que demonstrar o verdadeiro afeto. Contudo, a dificuldade em demonstrar um afeto não significa sua ausência ou o minimiza.
Avaliar nossos desejos e anseios diante de um filho pode ser muito mais complicado do que parece, principalmente quando os projetamos como verdades incontestáveis ou inegociáveis.
E, como se saltasse de dentro daqueles olhos, pequeninos olhos que vi, Cecília Meireles falando:
“E minha alma, sem luz nem tenda,
passa errante, na noite má,
à procura de quem me entenda
e de quem me consolará…”

Perseverare

Adebayo sentia-se infeliz. Reclamava constantemente da infelicidade que tomava conta de seus dias.
” Não sou triste. Sou uma pessoa infeliz. Nada me satisfaz ou faz graça”.
Já passou por tantos fracassos e tantas desilusões que não acredita em seu potencial. Nunca conseguiu nada que tenha almejado, pessoal, profissional ou socialmente.
Perdeu a noção de quantas vezes sonhou e viu tudo desmoronar. Sempre construiu castelos que ruiram, um após outro.
Tornou-se um descrente de si mesmo. Vivia perdido em devaneios de auto-comiseração e intitulava-se flagelado na alma.
Seu discurso fazia lembrar o poema de Álvaro de Campos, “Passagem das Horas”:

 

“Trago dentro do meu coração, 

 

Todos os lugares onde estive, 
Todos os portos a que cheguei, 
Todas as paisagens que vi…

 

E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero…..
 

 

….Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti, 
Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir 
E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz…..

 

 
…..Não sei se a vida é pouco ou demais para mim. 

 

Não sei se sinto de mais ou de menos, não sei 

 

Se me falta escrúpulo espiritual, ponto-de-apoio na inteligência…..

 

….É preciso querer chorar, mas não sei ir buscar as lágrimas… 

 

Por mais que me esforce por ter uma grande pena de mim, não choro, 
Tenho a alma rachada sob o indicador curvo que lhe toca… 
Que há de ser de mim? Que há de ser de mim? ……

 

 
……Não sei sentir, não sei ser humano, conviver 

 

De dentro da alma triste com os homens meus irmãos na terra. 

 

Não sei ser útil mesmo sentindo, ser prático, ser quotidiano, nítido, 
Ter um lugar na vida, ter um destino entre os homens, 
Ter uma obra, uma força, uma vontade, uma horta…. 

 

……Sentir tudo de todas as maneiras, 

 

Viver tudo de todos os lados, 

 

Ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo, 
Realizar em si toda a humanidade de todos os momentos 
Num só momento difuso, profuso, completo e longínquo…..”

 

 
 
Assim caminhava Adebayo, um transeunte perdido nas rotas da vida. Sufocado pelo próprio significado de seu nome, como se fora um castigo imputado a viver eternamente na busca desse sentimento inatingível.
Seria tudo fruto de sua imaginação? Seria tudo fruto de uma mente estagnada nos momentos de insatisfação?
Frustrações e contrariedades fazem parte da vida de qualquer ser humano. Mas não são barreiras intransponíveis e imutáveis. A diferença entre a insatisfação perpetuada e a transitória sempre será a facilidade individual em lidar com as amarguras.
Saiba lidar com as pedras que apareçam em seu caminho e seus castelos serão fortificados.
Saiba lidar com suas amarguras e cada dissabor será mais adocicado.
Saiba lidar com as frustrações e aprenderá que podem acontecer, mas não precisam ser perpetuadas.
A perseverança leva ao recomeço. Tenha forças e acredite que todo recomeço possibilita novas oportunidades e novas conquistas.
E lembre-se:
 
“A frustração é uma traça que corrói as entranhas da Alma”Stuka Angyali
 
Como quer suas entranhas??
 

Alimento do saber


“Os poemas são pássaros que chegam

não se sabe de onde e pousam

no livro que lês.


Quando fechas o livro, eles alçam vôo

como de um alçapão.

Eles não têm pouso

nem porto

alimentam-se um instante em cada par de mãos

e partem.

E olhas, então, essas tuas mãos vazias,

no maravilhado espanto de saberes

que o alimento deles já estava em ti… “
Mário Quintana



Dentro de você

Bem, já que mais uma semana se inicia, vale a pena refletir sobre uma questão básica: O que posso fazer para que o mundo seja melhor?

Adoraria dizer que essa foto é uma montagem do dia da mentira
Fome e desespero

Será que o mundo depende de atitudes extravagantes ou grandiosas para que seja melhor?
Creio que não!

O mundo melhor começa dentro de cada ser humano.

Dentro de cada um de nós é possível florescer as atitudes que podem tornar o mundo maravilhoso.
Nosso mundo interior pode ser o grande responsável por aquilo que desejamos viver.
Então que tal iniciar a semana tornando seu mundo interior um lugar fantástico?
Pense de que forma isso é possível, afinal não é difícil.
Temos duas mãos, dois pés, dois olhos e dois ouvidos. Que tal utilizá-los da melhor forma possível?
Proponha-se a ouvir mais e pense muitas vezes antes de falar qualquer coisa que possa machucar.
Dê ouvidos a quem necessita expôr suas feridas emocionais ou mazelas existenciais. Seja paciente.
Olhe ao seu redor. Muito próximo, com certeza,  há pessoas que nem precisam dizer qualquer palavra para demonstrar seu sofrimento. Você consegue enxergar e fingir que não vê?
Estenda as mãos e dê o apoio necessário.
Se você puder fazer isso, estará dando um grande passo para um bem maior. Mexa-se! 
Temos apenas um cérebro e um coração. Utilize sua inteligência de forma sadia. Deixe seu coração disposto ao amor.
Fica o desafio: Você é capaz de doar de si próprio?
Ou acha que isso é apenas utópico e que se dane tudo?
Vamos fazê-lo então!!?
Abraços e luz