Dificuldades atuais no convívio em sociedade

A Sociedade e você

Não bastassem as dificuldades que vivemos em nossas famílias, somos obrigados a conviver com centenas ou milhares de pessoas durante nossas vidas, que nada tem a ver com o que queremos ou o que somos.

Se as diferenças entre pais e filhos, irmãos, cunhados, primos e agregados já nos atormentam os feriados e encontros anuais de família, o que diremos da vida diária, conectados ao porteiro, aos vizinhos, aos colegas de trabalho e à infinidade de pessoas que hoje se conectam com a nossa vida, através das redes sociais e aplicativos de celular?

Numa era em que a comunicação se tornou digital e em tempo real, aparentemente estamos mais conectados com o mundo e às pessoas, mas não nos damos conta de que, na maioria das vezes, a rapidez e quantidade de conexões influenciaram os nossos relacionamentos de forma mais negativa do que positiva, uma vez que escutamos menos, distribuímos nossa atenção a milhares de assuntos e pessoas ao mesmo tempo, e ainda de maneira superficial e momentânea.

Perdemos o olho no olho

Perdemos os “olhos nos olhos”, o sentir a alma do outro.

O “oi, tudo bem?” substituiu o verdadeiro desejo de perguntar: “Como você está?” e o parar para ouvir a resposta com vontade e atenção.

E se não fazemos isto nem com os nossos, como esperar o mesmo de uma sociedade enlouquecida pela rapidez e eficiência do mundo moderno, para com nós mesmos?

Se no mundo falta interpretação de texto, falta mais interpretação do outro.

Lemos nossas mensagens como queremos.

Se para uns a letra maiúscula pode parecer um grito, para outros, pode chegar como um riso e ainda para outrem como um pedido de atenção.

Se pessoalmente o entendimento do outro nunca é cem por cento fiel ao que se desejou, por e-mails, mensagens, fotos e áudios, nossa comunicação perdeu em discernimento, à mesma velocidade que ganhou em agilidade.

A comunicação se perde apenas no mundo digital

Nossa comunicação se tornou digital, nossa vida e nossos relacionamentos estão a cada dia num nível muito mais virtual do que real.

Nos adaptamos e nos moldamos a uma era em que a velocidade deu abertura à superficialidade em nossas vidas. Nos tornamos, pouco a pouco, mais frios e individualistas.

Sedentos de um sorriso e de um pouco de gentileza, nos rendemos a poucas mensagens aparentemente carinhosas no Whatsapp ou no Facebook.

Nos contentamos com os poucos segundos de prazer que isto nos proporciona, mas nos contagiamos com esta necessidade e nos vemos em seguida no vício pelas redes sociais e aplicativos.

Tem sido difícil ser gentil e tão menos ainda demorado com nossos amigos e familiares.

Sorrir ao desconhecido na rua parece que se tornou mais do que boa educação, mas um esforço diante da pressa que possuímos em cumprir todos os deveres do dia.

E sofremos a consequência do que nós mesmos acabamos por fazer: não recebemos mais sorrisos, gentilezas, um olhar mais demorado e alguém que nos ouça quando queremos desabafar sobre o dia difícil ou a dor nas costas de uma noite mal dormida.

Reavalie suas escolhas

Viver se tornou esquisito!!!

Uma lista de afazeres sem fim, objetivos e medidores de nossa própria eficiência.

Até conseguimos entender a necessidade de nos tornamos tolerantes e pacientes uns com os outros, mas sofremos a dor de não sermos mais vistos ou sentidos em nossa essência, dia após dia, hora após hora, o que parece tornar nossas vidas sem vida.

Aonde iremos parar com os nossos níveis de relacionamentos? Não sabemos.

Mas fato é que ninguém nasce para ser uma ilha. E mesmo com todas as dificuldades, falta de afeto e excessos de superficialidade, continuaremos nos adaptando e até mesmo aceitando e dando cada vez menos.

Por: Carolina Vila Nova

 

Deixa o barro secar

Uma vez uma menina ganhou um brinquedo no dia do seu aniversário.
Na manhã seguinte, uma amiguinha foi até sua casa para lhe fazer companhia e brincar. Mas a menina não podia ficar com a amiga, pois tinha que sair com a mãe.
A amiga pediu que a menina a deixasse ficar a brincar com o seu brinquedo novo até que ela voltasse. Ela não gostou muito da ideia, mas por insistência da mãe, acabou por aceitar.
Quando voltou para casa, a amiguinha já não estava lá e tinha deixado o brinquedo fora da caixa, todo espalhado e quebrado.
Ela ficou muito brava e queria ir até à casa da amiga para pedir satisfações no mesmo instante.
Mas a mãe ponderou:
– Lembra-te daquela vez que um carro meteu lama no teu sapato?

–Quando chegaste em casa querias limpar imediatamente aquela sujeira, mas a tua avó não deixou.

–Ela disse que tu deverias primeiro deixar o barro secar. Depois, seria mais fácil limpar!
E prosseguiu dizendo:
– Com a raiva é a mesma coisa. Deixa a raiva secar primeiro, depois será bem mais fácil resolver tudo.
A seguir a campainha tocou, era a amiguinha .
-Toma este brinquedo novo, não foi culpa minha, mas sim de um menino invejoso que por maldade estragou o brinquedo quando eu brincava com ele no jardim.
E a menina respondeu:
– Não faz mal, minha “raiva” já secou!

Discussões no dia-a-dia, nos relacionamentos e no trabalho podem levar as pessoas a ter sentimentos de raiva. Segure seus ímpetos, deixe o barro secar para somente depois limpa-lo. Assim você não corre o risco de cometer injustiças.

Dicas para uma vida mais leve

Você vive sua vida com leveza?

Que-a-vida-leve

É difícil viver com leveza porque, por incrível que pareça, nos sentimos mais fortes e seguros quando temos com o que nos preocupar, questões a solucionar e problemas que precisam de nós para serem resolvidos. Por causa de hábitos e escolhas que se tornaram comuns em nosso cotidiano, não estamos acostumados a nos sentir bem por muito tempo. Não nos parece normal.

Uma vida leve é uma vida com menos stress e mais momentos alegres, menos preocupações e mais otimismo, menos pressa e mais dedicação, menos vergonha e mais bom humor, menos cansaço e mais vontade de viver. Quando falamos em “viver com leveza” estamos falando sobre saber viver.

Ter uma vida mais leve é questão de escolha. Com algumas pequenas atitudes e mudanças de pensamento, é possível transformar aquilo que serve apenas para fazer peso na nossa vida em fonte de alegria e satisfação. Existem algumas escolhas que você pode fazer agora mesmo para começar a viver com mais leveza, otimismo, tranquilidade e bom humor:

1) Tenha menos coisas: Palavras de Buda: “quanto mais coisas você tem, mais terá com o que se preocupar”. E acrescento: quanto mais você tem, menos satisfeito está, porque sempre vai querer mais. Preocupação e insatisfação são sentimentos opostos a uma vida leve.

Quanto menos você se preocupar em manter uma quantidade alta de bens e menos pensamentos sobre possuir coisas ocuparem sua mente, mais espaço se abre na sua vida para viver com serenidade, ser feliz e afastar-se de sentimentos como falta, angústia e ansiedade.

2) Não leve a vida tão a sério: Você não precisa estar sempre certo. Não é obrigado a ter certeza de que está no caminho mais seguro e correto. Não há necessidade de definir agora todas as direções que seguirá até o fim de sua vida. Não tem que saber se o que está fazendo agora te trará grandes resultados ou recompensas.

Você pode apenas viver! O mundo não vai parar se você de vez em quando fizer uma pausa nos deveres para se divertir, curtir o momento, esquecer as partes chatas do dia a dia e não responder emails nem atender o celular.

Há pessoas que acreditam que as coisas só funcionam à base da neurose, perfeccionismo e seriedade, mas estas características são totalmente dispensáveis e apenas dificultam o processo, seja em relação a trabalho, relacionamentos, família, estudos e todas as outras áreas da vida.

3) Não faça tanta coisa: Se você tem obrigações demais e pouco ou nenhum tempo para aquilo que faz apenas por prazer, a vida se torna pesada, maçante e sem sentido. O quanto de tempo você investe no que realmente faz você se sentir bem? Se a resposta for “muito pouco” ou “nenhum”, é hora de dar o pontapé inicial para uma mudança na sua rotina.

4) Vá com calma: Pare de correr tanto e de fazer tudo com pressa. Diminua um pouco o seu ritmo e dispense a ansiedade, sentimento que é um vício extremamente prejudicial à sua felicidade e também à sua saúde. Talvez você nem perceba, mas já se tornou um hábito fazer com extrema rapidez todas as atividades do cotidiano (até as mais simples). Repare se você anda na rua, lê, come, trabalha e atende o telefone em ritmo tenso e acelerado sem perceber. Se quer uma vida mais leve, comece a mudar este costume.

5) Fique o máximo que puder ao lado de quem te faz rir: No filme Amor sem Escalas há uma frase que gosto muito: “Nas suas melhores lembranças, nos momentos mais importantes da sua vida, você estava sozinho? A vida é melhor com companhia”.

Estar com alguém que te faz rir com vontade é um dos (grandes) prazeres da vida. Rir faz bem, deixa a vida mais leve, traz disposição e acaba com o stress. Procure ficar ao lado de pessoas engraçadas e espontâneas e traga mais boas sensações e leveza para a sua vida.

6) Pense menos: Alguma vez você já se sentiu cansado de pensar? Acontece quando faz uma atividade automaticamente e seus pensamentos estão longe, se você cultiva a mania de sempre esperar pelo pior em qualquer situação, quando guarda mágoas, ao ficar imaginando diálogos ou situações etc.

Em todos os casos, você está desgastando sua mente e isso faz com que se sinta pesado e sobrecarregado, desnecessariamente. Comece já a administrar seus pensamentos e pare de usar sua mente para carregar pensamentos incômodos e dispensáveis.

Condicione-a a funcionar a seu favor, com pensamentos positivos que farão você se sentir bem e atrair coisas boas. Se não conseguir pensar em nada bom, então não pense. Medite, concentre-se em alguma atividade ou durma. Fuja do hábito de usar seus pensamentos para depositar coisas ruins dentro de você.

7) Pare de lamentar a agradeça: Eu sei que tem várias coisas na sua vida que não estão como você gostaria. Na minha também. E na de todo mundo! Mas, enquanto algumas pessoas optam por agradecer por aquilo que está bom, outras passam os dias se lamentando, sem conseguir enxergar que têm muitos bons motivos para serem gratas.

Os integrantes do primeiro grupo escolheram viver uma vida mais leve e sabem que a gratidão as leva para este caminho. Já as reclamações e lamentos constantes de quem se identifica com o segundo grupo encaminham diretamente para a infelicidade de crer que sua vida é um peso a ser carregado. Questão de opção.

8) Use o bom humor para lidar com suas falhas: Falou alguma besteira? Acontece com todo mundo, ria de você mesmo! Pagou um mico em público? Veja pelo lado engraçado e ria sozinho ou junto de quem estiver com você! Permita-se falhar e não faça disso um grande problema. Bom humor é uma das mais importantes virtudes para uma vida leve.

9) Pare de transformar situações em problemas: Às vezes o que você chama de problema é apenas uma situação qualquer que está sendo vista pelo lado negativo, e que você poderia muito bem deixar para lá ou permitir que ela passe sem causar prejuízo nenhum.

São acontecimentos, não problemas. O problema é como você reage a elas, portanto, está nas suas mãos decidir se ele existe ou não.

Reflita sobre as últimas situações que fizeram você se sentir mal e faça isso também das próximas vezes em que perceber um aborrecimento chegando.

Provavelmente vai perceber que boa parte do que aconteceu poderia ter sido ignorado ou não precisava que você desse tanta atenção.

Com as novas situações, ao pensar antes de reagir, vai conseguir evitar que você mesmo complique algo que não precisa ser complicado.

10) Contamine-se com coisas boas: Procure por boas notícias na internet, televisão e outros meios de comunicação. Veja filmes e leia livros que falem de histórias ou assuntos positivos, ouça músicas animadas, vá a lugares onde há coisas bonitas para se ver.

Encha sua vida de coisas que façam você se sentir positivamente inspirado.

11) Adicione leveza à sua vida: Ande descalço, respire fundo, use roupas confortáveis, ria alto, coma sobremesa, balance na rede, corra ao ar livre, aprecie o silêncio, conecte-se com a natureza, brinque, cante, dance, viaje para longe, faça uma pausa, se espreguice, abrace quem você ama, emocione-se, sinta-se livre, deixe seu coração falar mais alto que a razão, faça o que tem vontade, ame sua vida!

São coisas como estas que fazem com que sejamos mais abertos aos bons sentimentos e sensações que a vida pode nos proporcionar.

12) Seja gentil, educado e generoso: Quando age positivamente em relação às outras pessoas, sua atitude gera energia positiva tanto para elas como para você, e faz com que se sinta bem com si mesmo, ao contrário do que acontece quando trata alguém com grosseria ou rispidez.

Lembre-se: a leveza vem de dentro para fora, portanto, doe aos outros aquilo que você tem de melhor para despertar as coisas boas que existem dentro de você.

psiquismodesmistificado

Dicas para se manter motivado

Mantenha sua motivaçãoAo longo da nossa vida e em diferentes cenários, por vezes, vimos a nossa motivação a sofrer abalos. Sentimo-nos sem energia, algumas coisas parecem perder significado e com isso a nossa alegria diminui, instala-se um abatimento que queremos que desapareça. Ficamos temporariamente paralisados numa espera indefinida. Emerge uma angústia que nos retira capacidade de perspetivar cenários positivos.  A nossa mente é invadida por cenários catastróficos que nos empurra a edificarmos uma teoria da conspiração contra nós próprios (por vezes sem plena consciência).

Se você se encontra numa situação semelhante, certamente pretende aumentar a motivação. E isso é objetivo grandioso e promotor de bem-estar e satisfação na vida. A motivação é uma chave importante para o sucesso, mas muitas pessoas acham difícil resgatar a motivação e permanecer motivado. O que muitas pessoas me relatam, é que apesar de conseguirem resgatar a sua motivação e andarem animados durante  duas ou três semanas, aos poucos os níveis motivacionais vão diminuindo. E com este decréscimo a pessoa perde ímpeto para a ação. A pessoa funde-se ao sentimento de abatimento que vivência e com isso toda a sua vida é afetada negativamente.

O que fazer para aumentar a motivação e acima de tudo conseguir mantê-la?

Assim que você esteja na posse de um conjunto de emoções positivas que influenciam construtivamente os seus pensamentos e consequente motivação, você está pronto para começar a tomar medidas no sentido de chegar mais perto dos seus objetivos. Permita que os seus sentimentos e pensamentos positivos o impulsionem. Uma vez que você tenha o hábito de praticar melhores pensamentos e sentimentos, com o tempo, estar motivado torna-se parte de você.

É no entanto importante que perceba, que no momento que sentir a sua motivação abalada tem de rapidamente virar-se para a ação. Tem de fazer as coisas que julga ter de fazer para obter o que quer. Tem de movimentar-se de acordo com o seu plano e estratégias previamente pensadas.

Dou algumas dicas que podem aumentar e manter a motivação e consequentemente ajudar a alcançar os seus objetivos:

  1. Estabeleça um objetivo específico
  2. Planifique e estabeleça uma estratégia
  3. Potencie a sua motivação
  4. Faça o que é necessário ser feito
  5. Trabalhe a sua força de vontade e autodisciplina
  6. Mantenha-se firme e persista
  7. Espere o melhor e alcance-o

Enfim, o mais importante é trabalhar sempre sua auto estima e sua auto confiança e lembre: seus pensamentos criam…sempre!!

psiquismodesmistificado

Lenda da carpa – O Dragão dourado

Segundo esta lenda, muito antiga por sinal, a carpa tinha que atingir a fonte do rio que corta a China, o Huang Ho (Rio Amarelo), na época da desova. Para isso, tinha que nadar contra a correnteza e saltar cascatas até à montanha Jishinhan. A carpa que alcançasse o topo tornava-se um dragão.
Por causa dessa crença, acredita-se que uma carpa subindo a correnteza de um rio significa força, coragem e determinação para alcançar objetivos e superar dificuldades. Já uma carpa descendo significa objetivos alcançados ou metas cumpridas. 
Todos nós podemos ser como as carpas. Devemos correr atrás de nossos sonhos e objetivos. Afinal, temos dentro de nós um potencial infinito para a felicidade, harmonia, inteligência e todos os demais atributos que pudermos desenvolver. É não se deixar abater diante das dificuldades como ensina o provérbio Nanakorobi Yaoki (Se cair sete vezes, levante 8).
Mas isso não é uma tarefa fácil, pois teremos que sair de nossa zona de conforto e “atravessar grandes vales e cascatas”, como as carpas. Mas conforme formos nos acostumando e nos movendo, veremos o quanto somos capazes e como é grande o potencial que temos dentro de nós.
Acredite sempre nos seus sonhos e vá a luta que conseguirá chegar aos seus objetivos!
“A carpa japonesa (koi) tem a capacidade natural de crescer de acordo com o tamanho do seu ambiente. Assim, num pequeno tanque, ela geralmente não passa de cinco ou sete centímetros – mas pode atingir três vezes este tamanho, se colocada num lago.
Da mesma maneira, as pessoas têm a tendência de crescer de acordo com o ambiente que as cerca. Só que, neste caso, não estamos falando de características físicas, mas de desenvolvimento emocional, espiritual e intelectual.
Enquanto a carpa é obrigada, para seu próprio bem, a aceitar os limites do seu mundo, nós estamos livres para estabelecer as fronteiras de nossos sonhos. Se somos um peixe maior do que o tanque em que fomos criados, ao invés de nos adaptarmos a ele, devíamos buscar o oceano – mesmo que a adaptação inicial seja desconfortável e dolorosa.”- Paulo Coelho

psiquismodesmistificado

Aquarela do Amor

“Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.”
(Cora Coralina)

O que importa são os sonhos

O que importa são os sonhos…

 

“Há quem diga que todas as noites são de sonhos. 
Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão. No fundo, isto não tem muita importância. 
O que interessa mesmo não é a noite em si, são os sonhos. Sonhos que o homem sonha sempre, em todos os lugares, em todas as épocas do ano, dormindo ou acordado.”
(Sonho de uma Noite de Verão)- W. Shakespeare
 
Os sonhos, os desejos, tudo aquilo que estabelecemos como meta a alcançar, são motivadores. São como combustível a mover nossa máquina. Quem não sonha fica inerte, parado no tempo….simplesmente desmotivado.
Estabeleça objetivos e metas. Corra atrás de seus sonhos, independentemente do tempo que possa levar para alcança-los. Organize-se levando em consideração o tempo de cada um. Alguns sonhos podem ser alcançados muito rapidamente, outros demoram um tempo maior. Mas isso não importa! O que importa é sonhar.
Algumas pessoas sonham com casas, carros, dinheiro, fama. São escolhas pessoais.
Outras sonham com um grande amor ou apenas em se sentir felizes.
Há quem sonhe com um mundo de paz e amor.
Cada alma tem um mundo de sonhos e desejos. Somos um universo infinito de sentimentos e anseios, algumas vezes enclausurados dentro do próprio corpo.
Deixe sua alma livre para sonhar e permita-se a liberdade de viver!
psiquismodesmistificado

Gratidão

Uma bela história para reflexão.


Você é capaz de fazer o mesmo?


Certa manhã, uma mulher bem-vestida parou em frente de um homem sem-teto, que olhou para cima lentamente … e reparou que a mulher parecia acostumada com as coisas boas da vida. O casaco era novo. Parecia que ela nunca tinha perdido uma refeição em sua vida. Seu primeiro pensamento foi: “Só quer tirar sarro de mim, como tantos outros fizeram ….”
 -“Por favor, Deixe-me sozinho!” Resmungou o homem… 
Para sua surpresa, a mulher continuou de pé. Ela estava sorrindo, seus dentes brancos exibidos em linhas deslumbrantes.
 -“Você está com fome?” , perguntou ela. 
-“Não”, respondeu sarcasticamente. Acabei de voltar do jantar com o presidente …. Agora vá embora.”
 O sorriso da mulher se tornou ainda mais amplo.
 De repente, o homem sentiu uma mão suave debaixo do braço. –“O que você está fazendo, senhora?” , perguntou o homem irritado. –“Disse para deixar-me sozinho!”
 Neste momento um policial chegou. –“Existe algum problema, senhora?” Perguntou ele…
 –“Não tem problema aqui, Policial”, a mulher disse… –“Eu só estou tentando ajudá-lo a ficar de pé …Pode me ajudar?” 
O policial coçou a cabeça. –“Sim, o velho João é um estorvo por aqui há anos. O que você quer com ele?” Perguntou o policial…
 –“Vê o restaurante ali?” , perguntou ela. –“Eu vou dar-lhe algo para comer e tirá-lo do frio por um tempo.”
 –“Você, senhora, está louca?” O homem sem-teto resistiu. –“Eu não quero ir para lá!” Então sentiu mãos fortes segurando os braços e levantá-lo. –“Deixe-me ir, eu não fiz nada oficial …”
 –“Não vê, esta é uma boa oportunidade para você”, o oficial sussurrou em seu ouvido. Finalmente, e com alguma dificuldade, a mulher e o oficial levam João para o restaurante e o sentam a uma mesa em um canto do refeitório. Era quase quatorze horas, a maioria das pessoas já tinha comido o almoço e para jantar o grupo ainda não tinha chegado ….
O gerente do restaurante veio a eles e perguntou. –“O que está acontecendo aqui, oficial? — O que é isso? —  E este homem está em apuros?”  
-“Esta senhora trouxe-o aqui para comer alguma coisa”, respondeu o oficial.
 –“Oh! não, não aqui!” o gerente respondeu com raiva. Ter uma pessoa como essa aqui é ruim para os negócios!”
O velho João sorriu com poucos dentes. –“Senhora, eu lhe disse. Agora, você vai me deixar ir? Eu não queria vir aqui desde o início.” 
A mulher foi até o gerente da lanchonete e sorriu .. –“O senhor está familiarizado com Harris & Associates, empresa que fica a duas ruas daqui?
 –“Claro que eu sei”, respondeu o gerente impaciente. Eles fazem as suas reuniões semanais aqui e jantam no meu restaurante”.
 –“E você ganha um monte de dinheiro fornecendo alimentos para essas reuniões semanais? perguntou a Sra…
 –“E o que importa para você?” — perguntou o gerente impaciente.
 –“Eu, senhor, sou Penelope Hernandez, presidente e proprietária da empresa. ” — disse ela.
 –“Oh desculpe!” — disse o gerente…
A mulher sorriu de novo… –“Eu pensei que isso poderia fazer a diferença no seu tratamento.” Ela disse ao policial, que se esforçou para conter uma risada. 
 –“Gostaria de fazer-nos companhia numa xícara de café ou talvez uma refeição, policial?” 
-“Não, obrigado, senhora”, respondeu esse. “Estou de plantão”.
 –“Então, talvez, uma xícara de café para ir?” — disse ela.
 –“Sim, senhora. Isso seria melhor.” — respondeu o policial.
O gerente do restaurante virou nos calcanhares como se recebesse uma ordem.
 –“Vou trazer o café para o policial imediatamente Senhora”
O policial observou-a de pé. E falou: “Certamente colocou-se no lugar…”
-“Essa não foi minha intenção”, disse a Sra. 
“…Acredite ou não, eu tenho uma boa razão para tudo isso. “
Ela se sentou à mesa em frente ao seu convidado para jantar. Ela olhou para ele … –“João, você se lembra de mim?”
O velho João olhou para seu rosto, no rosto dela, com seus olhos remelentos –“Eu acho que sim – quero dizer, acho que é familiar.”
 –“Olha João, talvez eu seja um pouco maior, mas olha-me bem,” disse a Sra. .. –“Talvez eu esteja mais gordinha agora … mas quando trabalhava aqui há muitos anos atrás eu vim aqui uma vez, e por esta mesma porta entrei, morrendo de fome e frio.” …Algumas lágrimas caíram por suas bochechas ..
 –“Senhora?” disse o policial, eu não podia acreditar no que estava presenciando, mesmo pensando como uma mulher como esta poderia ter passado fome.
 –“Eu tinha acabado de me formar na faculdade em minha cidade natal”, disse a mulher. “e vim para a cidade à procura de um emprego, mas não consegui encontrar nada…” Com a voz quebrantada a mulher continuou: –“Quando eu tinha meus últimos centavos e entreguei meu apartamento, andava pelas ruas, sem ter onde morar, e foi em julho, estava frio e, quase morrendo de fome, quando vi este lugar e entrei, pensando numa pequena chance para conseguir algo para comer”. Com lágrimas nos olhos, a mulher continuou falando …-“João me recebeu com um sorriso.”
 –Agora eu me lembro”, disse João. –“Eu estava atrás do balcão de serviço. Ela se aproximou e perguntou se poderia trabalhar para comer alguma coisa.”
 –“Você me disse que era contra a política da empresa.” A mulher continuou.. –“Então, você me fez o maior sanduíche de rosbife que já vi … deu-me uma xícara de café, e fui para um canto para apreciar a minha refeição. Eu estava com medo que você se metesse em encrencas. Então eu olhei e vi você colocar o valor dos alimentos no caixa. Eu sabia que tudo ficaria bem. “
-“Então você começou seu próprio negócio?” Disse o velho João.
-“Sim encontrei um trabalho naquela mesma tarde. Eu trabalhei muito duro, e eu subi com a ajuda do meu Deus Pai. Tempos depois eu comecei meu próprio negócio, com a ajuda de Deus, ele prosperou ..” Ela abriu sua bolsa e tirou um cartão. “Quando terminar aqui, eu quero que você faça uma visita ao Sr. Martinez. Ele é o diretor de pessoal da minha empresa e vai encontrar algo para você fazer nela.
Ela sorriu. –“Eu poderia até adiantar-lhe algo, o suficiente para que você possa comprar algumas roupas e arrumar um lugar para viver até se recuperar. Se você precisar de alguma coisa, minha porta está sempre aberta para você João.”
Havia lágrimas nos olhos do idoso. –“Como eu posso agradecer-lhe”, ele perguntou. “Não me agradeça” ela respondeu. “Deus da-lhe glória. Ele me trouxe para você.”
Fora do restaurante, o policial e a mulher pararam e antes de ir embora ela disse: –“Obrigado por toda sua ajuda!”. Em vez disso, o oficial disse: “Obrigado eu, que vi um milagre hoje, algo que eu nunca vou esquecer. E …. E obrigado pelo café. …..
Que Deus te abençoe sempre e não se esqueça que quando jogamos pão sobre as águas, você nunca sabe quando ele será devolvido para você …

Espalhe a idéia


Em uma aldeia onde havia muitos colecionadores que passavam a vida colecionando objetos descartados pelas outras pessoas. Os colecionadores descobriram que uma vez que se tenha uma grande e variada quantidade de artigos descartados, eles se tornam valiosos novamente. 



Um colecionador tinha uma provisão esplêndida de garrafas de vidro. Ele chamava a atenção pendurando algumas em árvores e criando música batendo com varas. Outro colecionava sapatos de todos os tamanhos. Ele comentava o quanto variava o tamanho e as formas dos pés das pessoas. 
Havia colecionador de panela, colecionador de selos, de taco de golfe e colecionadores de chapéu, de livros cômicos e colecionador de cartão esportivo. Na verdade, era uma verdadeira coleção de colecionadores. 
Um dia um velho homem chegou à cidade e vagando pela aldeia perguntava onde ficava a praça dos colecionadores. Ele levava um grande pacote, mas não parecia estar carregado nem muito pesado. Ele encontrou a praça dos colecionadores e se alojou em um canto. 
Naturalmente, os colecionadores descobriram que havia um novo colecionador na cidade, e eles queriam saber o que ele tinha no pacote. Ele respondeu que nada havia mas apenas seu almoço e uma capa de chuva para o caso de chover. 
– Você quer dizer que não tem uma coleção? – eles perguntaram – Você não é um colecionador? 
– Oh, sim. – ele respondeu – eu sou um grande colecionador. Mas o que eu coleciono não cabe em um pacote ou uma caixa. Eu coleciono os problemas e as preocupações das pessoas. 
Esta era uma idéia estranha e lhe pediram que explicasse. 
– Bem, veja você, eu descobri há muito tempo que entre as coisas que todos querem se livrar existem as preocupações, os problemas, fardos pesados, tristezas, tempos difíceis – todo este tipo de coisas que jogam as pessoas para baixo e faz suas vidas mais tristes. Assim eu me ofereço para colecionar estes problemas e elas se sentem bem. Não é simples? 
Alguns dos colecionadores pensaram que era uma convicção tola e possivelmente isso era perigoso à reputação de sua profissão. 
O velho não parecia prejudicar ninguém, entretanto, assim eles o deixaram só. Logo apareceu alguém e perguntou como ele colecionava problemas, e ele respondeu, 
– Bem, há algo provavelmente em sua vida que o aborrece agora mesmo – um pouco de preocupação que você tenha. Me fale um pouco sobre isto e eu a acrescentarei à minha coleção. 
– Mas como isso me ajudará? Você pode desaparecer com o problema só porque lhe falo sobre isto? 
– Não, mas você se sentirá melhor. Tente. 
Assim a pessoa falou para o velho sobre algo que era um problema. Quando a história terminou, o colecionador de problemas acenou com a cabeça algumas vezes, elevou as mãos como se erguesse algo pesado e fingiu colocar no pacote. 
– Pronto! Eu guardei este. Como você se sente? Perguntou. 
A pessoa que tinha o problema respondeu: 
– Estranho. Me sinto bem. Eu acho que posso controlar o problema muito melhor agora. Realmente funciona! 
As palavras se espalham ao vento. Logo havia uma multidão em volta do colecionador de problemas. 
Um dia, uma mulher apareceu na aldeia caminhando lentamente e com considerável dificuldade. Logo a levaram ao colecionador de problemas. Quando ele explicou a ela que tipo de colecionador ele era, ela começou a lamentar: 
– Oh, você não sabe quantos problemas e pesados fardos há neste mundo. Eu venho de uma cidade onde há mais problemas do que em qualquer outro lugar. Todos sofrem e ninguém tem qualquer esperança. E o pior é que as autoridades da cidade prosperam passando por cima dos problemas do povo. É um lugar horrível, desesperador. Eu tive que partir. Era a única esperança que eu tinha. 
O colecionador de problemas ficou sério. Se levantou e ergueu o pacote com um gesto que era mais lento e mais doloroso que o normal. Depois de um longo silêncio, falou lentamente. 
– Eu tenho que ir até lá. 
Os aldeãos e a mulher fizeram um grande protesto. Eles não queriam perder o colecionador de seus problemas. Tinham medo de como ficaria a cidade e lhe imploraram que ficasse. 
O velho se escapuliu no meio da noite. 
Muito tempo se passou até que um cansado jovem entrou na aldeia. As pessoas sabiam, sem perguntar, que ele vinha da cidade. Eles o ajudaram da melhor forma que podiam, e quando ele estava se sentindo melhor, lhe perguntaram se sabia do velho que tinha partido para a cidade várias semanas atrás. 
– Conheci sim! Este homem entrou quieto na cidade e, no princípio, ninguém o notou. Então de vez em quando você poderia vê-lo conversando com pessoas – escutando principalmente. Quando um pessoa terminava de falar, ele curvava a cabeça e fazia estranhos gestos com as mãos e a pessoa começava a se sentir melhor. Pela primeira vez em um longo tempo, as pessoas da cidade começaram a se sentir melhor e ter um pouco de esperança. 
– Sim, nós sabemos. Ele fez isso aqui também. Respondeu um dos aldeãos. 
– Bem, não levou muito tempo para as autoridades o notarem. Lhe mandaram partir e deixar de se intrometer nas vidas de outras pessoas. Ele simplesmente recusou. Disse o jovem da cidade. 
E com os olhos tristes e um nó na garganta, continuou: 
– Eles o colocaram na prisão, mas lá ele colecionou os problemas dos outros prisioneiros. Finalmente, as autoridades decidiram que ele era uma ameaça subversiva ao sistema. Assim eles o executaram. 
Os aldeãos ofegaram. Alguns começaram a chorar. 
– Eu sinto muito por lhes trazer estas tristes notícias. Ele também era meu amigo. 
– É doloroso para nós, você sabe. Como faremos agora que ele morreu? 
De repente o rosto do jovem ficou iluminado. 
– A idéia ainda funciona! Ele exclamou. Colecionar problemas ainda funciona! Você pode fazer isto para mim, e eu posso fazer isto para você. Ele só nos mostrou como fazer! 
O jovem saltou, cheio de energia e com força renovada. 
– Estou voltando para a cidade! 
– Mas o que fará você por lá? – vários aldeãos perguntaram em harmonia – Você ficou doido? Lá existem muitos problemas. 
– Exatamente! Exatamente! – ele continuou – É por isso que eu vou. Aprendi a lição, vou ajudar as pessoas a se sentirem melhor. Me tornarei um colecionador de problemas! O que tenho a fazer é simples: basta ouvir as pessoas. Fazer com que elas se abram, desabafem e, assim, reflitam melhor, sintam-se mais leves. E hei de espalhar o que aprendi. Hei de criar novos colecionadores de problemas. 
Texto: Leonard Remington 
Tradução de Sergio Barros

O tempo e a vida

365…
chegando na reta final. 

Mais um ano que passou tão rápido. Engraçado como a sensação é coletiva.
Outro dia falávamos sobre o assunto e como vivemos um tempo diferente.
Sim, “tempos diferentes”, não somente quanto aos hábitos do ser humano e às novas tecnologias e evoluções existentes, mas também no sentido mais estrito da palavra.
O mundo evolui, embora o ser humano não consiga acompanhar em sua evolução pessoal, aprendendo amar, respeitar e seguir os melhores caminhos.
Corremos de um lado ao outro. O dia que começou há poucas horas parece chegar ao fim, mal tendo iniciado.
E nos momentos em que nos permitimos parar alguns segundos ou minutos no decorrer do dia, pensamos: o que faço com meu tempo? qual é o meu tempo?
Você sabe em que tempo vive?
Encaixa-se totalmente nas vivências destes tempos?
Final de ano sempre foi tempo de fazer planos e tentar estabelecer metas.
….vou fazer isso ou aquilo…
Mais 365 dias…
Talvez e, muito provavelmente, possamos ver o calendário apenas como um marcador de nossos dias e vidas, afinal é assim que nos organizamos e vivemos na sociedade.
Mas também é um limitador de nosso tempo.
O que muda realmente entre 31 de dezembro e 01 de janeiro? 
Ahhhh…começa um Novo Ano!!!
Sim, exatamente!!…assim como convencionado em nossa contagem através dos calendários.
Mas de fato, o que muda para você quando entra um Novo Ano??
Pense a respeito.
Pense em que você pode ser diferente ou fazer de outra forma. Pense naquilo que você pode melhorar ou evoluir.
Refaça seu tempo!!
Não reclame ou se queixe do que foi o ano que esta acabando. Afinal pode ter sido mais ou menos agradável. Mas isso faz parte de nossas vidas e aprendizagens. Faz parte de nossa habilidade em lidar com as circunstâncias vivenciadas. Faz parte de nossas fragilidades.
Apenas agradeça a oportunidade de estar aqui, agora, nesse tempo….
No próximo ano, pense que você tem 31.536.000 momentos para aproveitar o tempo.
O seu tempo..