As marcas que deixamos

Quando eu era criança, bem novinho, meu pai comprou o primeiro telefone da nossa vizinhança. Eu ainda me lembro daquele aparelho preto e brilhante que ficava na cômoda da sala. Eu era muito pequeno para alcançar o telefone, mas ficava ouvindo fascinado enquanto minha mãe falava com alguém.

Então, um dia eu descobri que dentro daquele objeto maravilhoso morava uma pessoa legal. O nome dela era “Uma informação, por favor” e não havia nada que ela não soubesse. “Uma informação, pôr favor”, poderia fornecer qualquer número de telefone e até a hora certa.

Minha primeira experiência pessoal com esse gênio-na-garrafa veio num dia em que minha mãe estava fora, na casa de um vizinho. Eu estava na garagem mexendo na caixa de ferramentas quando bati em meu dedo com um martelo. A dor era terrível, mas não havia motivo para chorar, uma vez que não tinha ninguém em casa para me oferecer a sua simpatia. Eu andava pela casa, chupando o dedo dolorido até que pensei: O telefone.

Rapidamente fui até o porão, peguei uma pequena escada que coloquei em frente à cômoda da sala. Subi na escada, tirei o fone do gancho e segurei contra o ouvido. Alguém atendeu e eu disse: “Uma informação, pôr favor”. Ouvi uns dois ou três cliques e uma voz suave e nítida falou em meu ouvido. “Informações”.

-Eu machuquei meu dedo…, disse, e as lágrimas vieram facilmente, agora que eu tinha audiência.

“A sua mãe não esta em casa?”, ela perguntou.

“Não tem ninguém aqui…”, eu soluçava.

“Está sangrando?”

“Não”, respondi.

“Eu machuquei o dedo com o martelo, mas tá doendo…”

“Você consegue abrir o congelador?”, ela perguntou. Eu respondi que sim.

“Então pegue um cubo de gelo e passe no seu dedo”, disse a voz.

Depois daquele dia, eu ligava para “Uma informação, por favor” por qualquer motivo. Ela me ajudou com as minhas dúvidas de geografia e me ensinou onde ficava a Filadélfia. Ela me ajudou com os exercícios de matemática. Ela me ensinou que o pequeno esquilo que eu trouxe do bosque deveria comer nozes e frutinhas.

Então, um dia Petey meu canário morreu. Eu liguei para “Uma informação, por favor” e contei o ocorrido. Ela escutou e começou a falar aquelas coisas que se dizem para uma criança que está crescendo. Mas eu estava inconsolável.

Eu perguntava: “Por que é que os passarinhos cantam tão lindamente e trazem tanta alegria pra gente para, no fim, acabar como um monte de penas no fundo de uma gaiola?”

Ela deve ter compreendido a minha preocupação, porque acrescentou mansamente:

“Paul, sempre lembre que existem outros mundos onde a gente pode cantar também…”

De alguma maneira, depois disso eu me senti melhor. No outro dia, lá estava eu de novo.

“Informações”: disse a voz já tão familiar.

“Você sabe como se escreve ‘exceção’?” Tudo isso aconteceu na minha cidade natal ao norte do Pacifico. Quando eu tinha 9 anos, nós nos mudamos para Boston. Eu sentia muita falta da minha amiga.  “Uma informação, por favor” pertencia aquele velho aparelho telefônico preto e eu não sentia nenhuma atração pelo nosso novo aparelho telefônico branquinho que ficava na nova cômoda na nova sala.

Conforme eu crescia, as lembranças daquelas conversas infantis nunca saiam da minha memória. Freqüentemente, em momentos de duvida ou perplexidade, eu tentava recuperar o sentimento calmo de segurança que eu tinha naquele tempo. Hoje eu entendo como ela era paciente, compreensiva e gentil ao perder tempo atendendo as ligações de um molequinho.

Alguns anos depois, quando estava indo para a faculdade, meu avião teve uma escala em Seattle. Eu teria mais ou menos meia hora entre os dois vôos. Falei ao telefone com minha irmã, que morava lá, por 15 minutos. Então, sem nem mesmo sentir que estava fazendo isso, disquei o número da operadora daquela minha cidade natal e pedi: “Uma informação, pôr favor”. Como num milagre, eu ouvi a mesma voz doce e clara que conhecia tão bem, dizendo:”Informações”.

Eu não tinha planejado isso, mas me peguei perguntando: “Você sabe como se escreve ‘exceção’?”

Houve uma longa pausa. Então, veio uma resposta suave:

“Eu acho que o seu dedo já melhorou, Paul”.

Eu ri. “Então, é você mesma!”, eu disse. “Você não imagina como era importante para mim naquele tempo”.

“Eu imagino”, ela disse. “E você não sabe o quanto significavam para mim aquelas ligações. Eu não tenho filhos e ficava esperando todo os dias que você ligasse”.

Eu contei para ela o quanto pensei nela todos esses anos e perguntei se poderia visitá-la quando fosse encontrar a minha irmã. “É claro!”, ela respondeu. “Venha até aqui e chame a Sally”.

Três meses depois eu fui a Seattle visitar minha irmã. Quando liguei, uma voz diferente respondeu:”Informações”.

Eu pedi para chamar a Sally.”Você é amigo dela?”, a voz perguntou.

“Sou, um velho amigo. O meu nome é Paul”.

“Eu sinto muito, mas a Sally estava trabalhando aqui apenas meio período porque estava doente. Infelizmente, ela morreu há cinco semanas”.

Antes que eu pudesse desligar, a voz perguntou: “Espere um pouco. Você disse que o seu nome é Paul?

“Sim!”

“A Sally deixou uma mensagem para você. Ela escreveu e pediu para eu guardar caso você ligasse. Eu vou ler para você”.

A mensagem dizia:

“Diga a ele que eu ainda acredito que existem outros mundos onde a gente pode cantar também. Ele vai entender”.

Eu agradeci e desliguei. Eu entendi…

“NUNCA SUBESTIME A “MARCA” QUE VOCÊ DEIXA NAS PESSOAS”.

Dicas para estimular bons sentimentos

Acerta quem quer permanecer com os bons sentimentos de uma criança.  Que a inocência, apesar das dores e dos anos vividos, não nos abandone.
Acerta quem quer permanecer com os bons sentimentos de uma criança.
Que a inocência, apesar das dores e dos anos vividos, não nos abandone.

Você acha que o segredo da boa saúde é ter uma prateleira cheia de remédios, então está enganado. A solução pode ser mais simples: basta aprender a cultivar bons sentimentos. Em certos casos, o simples fato de rir, por exemplo, pode ser muito mais benéfico do que tomar um remédio.

Saber perdoar, ter generosidade e humildade são outras atitudes mais eficientes para a saúde do que frequentar vários médicos. “Essas atitudes fazem com que o organismo bloqueie a produção de substâncias prejudiciais à saúde e evita futuras doenças”, e o melhor: explorar as boas emoções não custa nada!

5 sentimentos para ter mais saúde

Alegria
Quem cultiva bom humor, em vez de raiva, fica menos vulnerável a doenças. Mais: a capacidade de se divertir reduz o estresse e ensina a lidar melhor com problemas.

Perdão
Estudo da Universidade de Tennessee (EUA) mostrou que quem perdoa tem melhor pressão arterial do que quem guarda mágoas.

Generosidade
Fazer o bem (não importa a quem, lembre-se!) reduz os batimentos cardíacos.

Otimismo
Os otimistas têm menos probabilidade de morrer de doenças cardíacas ou de um derrame cerebral.

Tranquilidade
Ela reduz o risco de problemas no coração.

5 dicas para estimular os bons sentimentos

1. Faça exercícios físicos regulares.

2. Coma seis porções de frutas ou legumes por dia.

3. Descubra seu “talento oculto”, algo que goste de fazer, como dançar,cantar, bordar…

4. Adote um animal de estimação.

5. Aprenda a ver o lado positivo de certas situações negativas.

 

NOTA: A imagem utilizada acima é de Donald Zolan, o mesmo pintor das imagens abaixo.

Donald Zolan

Nasceu em 1937 em Brookfield, Illinois, no seio de uma família com quatro gerações de artistas, começou a desenhar aos três anos de idade e aos cinco criou a sua primeira aquarela, copiando a imagem de um livro de quadradinhos da Walt Disney. Aos treze anos, recebeu uma bolsa do prestigiado Instituto de Arte de Chicago.

Após a formatura, foi selecionado como aprendiz de Haddon Sundblom, um famoso ilustrador conhecido como o Papai Noel da Coca-Cola, e de lá percorreu um caminho reto para o sucesso.

Foi reconhecido como o maior pintor das Américas na área infantil e teve muita popularidade por este trabalho inteiramente dedicado às crianças e sempre envolvido nos sentimentos de delicadeza, ternura, alegria, inocência e espontaneidade de amor.

Captou a alegria e a maravilha da infância com uma energia inconfundível e naturalidade desinibida.

Em cada uma de suas pinturas, ele sempre incluiu algum aspecto de suas experiências de infância. Sempre reconheceu e valorizou o papel positivo dos pais em seu trabalho e a dimensão espiritual em sua vida desde a descoberta de sua vocação.

Suas pinturas estão presentes nas melhores galerias de arte e museus e também podem ser encontradas em placas, bonecos, figurinos, quebra-cabeças, cartões e muitos outros objetos.

Zolan faleceu em Julho de 2009.

psiquismodesmistificado

Bilhete sem destino

Cada ação, por menor que pareça, encerra em si mesma as escolhas, motivações e consequências. Ainda que não sejamos dados a grandes reflexões, nossas escolhas afetam diretamente aqueles que cruzam o nosso caminho.

Uma coisa é certa, nenhum de nós escapa de falhar. O erro é prerrogativa de outras conquistas de estirpe mais nobre, como a maturidade, o sucesso e a estabilidade. No entanto, enquanto não tivermos alguma afinidade com os tombos inevitáveis e os equívocos de percurso, jamais estaremos maduros para compreender o quanto é efêmero o sucesso e o quanto é ilusória a estabilidade.

O que tem de mais bonito nessa viagem maravilhosa que é a vida é que o bilhete não tem destino certo. Vamos colecionando olhares, registrando paisagens, experimentando sabores estranhos até que entendemos, por fim, que uma grande jornada se faz com pequenas e profundas incursões para dentro de nós.

Às vezes, a vida vem em flashes na cabeça. Retalhos. Sonhos que se realizaram. Ou não. Objetivos que alcançamos. Ou não. Frutos que deixamos. Sementes que plantamos. Palavras que nunca deveríamos ter dito. Outras que calamos por pensarmos demais. Aventuras. Riscos. Medos. Coragens. Viagens. Amigos. Tropeços. Erros. Acertos.

Um mundo de pequenos cacos de espelhos que refletem quem somos. Um dia, tudo isso passará. Deixaremos a Terra para voltar à casa verdadeira, como creem uns; ou para evaporar para sempre, como creem outros. Todos nós partiremos daqui um dia! Uns mais cedo, outros mais tarde.

Então vamos nos maravilhar com as belezas e perfeições que, na correria do cotidiano, muitas vezes nos passam despercebidas aos olhos. Vamos fazer uma viagem do macro ao micro e maravilhar-nos com cada detalhe.

Believe – isso também passará

isso-também-passaráUm dervishe, depois de uma árdua e longa viagem através do deserto, chegou por fim à civilização. O povoado se chamava Colinas Arenosas e era quente e seco. Não havia muito verde, exceto feno para o gado e alguns arbustos. As vacas eram o principal meio de vida das pessoas de Colinas Arenosas. O dervishe perguntou educadamente a alguém que passava se havia algum lugar onde poderia encontrar comida e abrigo para aquela noite.
– Bem, disse o homem coçando a cabeça – não temos um lugar assim no povoado, mas estou certo de que Shakir ficará encantado de lhe brindar com sua hospitalidade esta noite.
Então o homem indicou o caminho da fazenda de propriedade de Shakir, cujo nome significa “o que agradece constantemente ao Senhor”.
No caminho até a fazenda, o dervishe parou perto de um pequeno grupo de anciões que estavam fumando cachimbo e eles confirmaram a direção. Eles disseram que Shakir era o homem mais rico da região.
Um dos homens disse que Shakir era dono de mais de mil vacas.
– E isso é maior do que a riqueza de Haddad, que vive no povoado ao lado.
Pouco tempo depois o dervishe estava parado em frente a casa de Shakir a admirando. Shakir, que era uma pessoa muito hospitaleira e amável, insistiu para que o dervishe ficasse por alguns dias em sua casa.
A mulher e as filhas de Shakir eram igualmente amáveis e deram o melhor para o dervishe. Inclusive, ao final de sua estadia, lhe deram uma grande quantidade de comida e água para sua viagem.
No seu caminho de volta para o deserto, o dervishe não conseguia parar de se perguntar o significado das últimas palavras de Shakir.
No momento da despedida o dervishe havia dito:
– Dê Graças a Deus pela riqueza que tens.
– Dervishe – havia respondido Shakir – não se engane pelas aparências, porque isto também passará.
 
Durante o tempo em que havia passado no caminho Sufi, o dervishe havia compreendido que qualquer coisa que ouvisse ou visse durante sua viagem lhe oferecia uma lição para aprender, e portanto, valia a pena considerá-la. Além de tudo, essa era a razão pela qual havia feito a viagem, para aprender mais.
As palavras de Shakir ocuparam seus pensamentos e ele não estava seguro de ter compreendido completamente o seu significado.
Quando estava sentado sob a sombra de um arbusto para rezar e meditar, recordou do ensinamento Sufi sobre guardar silencio e não se precipitar em tirar conclusões para finalmente alcançar a resposta. Quando chegasse o momento, compreenderia, já que havia sido ensinado a permanecer em silêncio e sem fazer perguntas. Para tanto, fechou a porta dos seus pensamentos e submergiu sua alma em um estado de profunda meditação.
E assim se passaram mais cinco anos, viajando por diferentes terras, conhecendo pessoas novas e aprendendo com suas experiências no caminho. Cada nova aventura oferecia uma lição a ser aprendida. Entretanto, como requeria o costume Sufi, permanecia em silêncio, concentrado nas ordens do seu coração.
Um dia, o dervishe voltou a Colinas Arenosas, o mesmo povoado onde havia passado alguns anos antes. Se lembrou de seu amigo Shakir e perguntou por ele.
– Está vivendo no povoado ao lado, a dez milhas daqui. Agora trabalha para Haddad – respondeu um homem do povoado.
O dervishe lembrou surpreendido que Haddad era o outro homem rico da região. Contente com a idéia de voltar a ver Shakir outra vez, se apressou para ir ao povoado vizinho. Na maravilhosa casa de Haddad, o dervishe foi bem recebido por Shakir, que agora parecia muito mais velho e estava vestido em andrajos.
– O que lhe aconteceu? – quis saber o dervishe.
Shakir respondeu que uma enchente três anos antes o havia deixado sem vacas e sem casa; assim ele e sua família se tornaram empregados de Haddad, que sobreviveu à enchente e agora desfrutava da posição de homem mais rico da região. Entretanto, esta alteração na sorte não havia mudado o caráter amistoso e atencioso de Shakir e de sua família.
Cuidaram amavelmente do dervishe na sua cabana durante os dois dias e lhe deram comida e água antes dele sair.
Na despedida, o dervishe disse:
– Sinto muito pelo que aconteceu com você e sua família. Mas sei é que Deus tem um motivo para aquilo que faz..
– Mas não se esqueça, isto também passará.
A voz de Shakir ressoou como um eco nos ouvidos do dervishe. O rosto sorridente do homem e seu espírito tranqüilo não abandonavam seu pensamento.
– O que ele quer dizer com esta frase desta vez?
O dervishe sabia agora que as últimas palavras de Shakir na sua visita anterior se anteciparam às mudanças que ocorrerem. Mas dessa vez, se perguntava o que poderia justificar um comentário tão otimista. Assim deixou a frase de lado outra vez, preferindo esperar pela resposta.
Passaram meses e anos, e o dervishe, que estava ficando velho, continuou viajando sem nenhuma intenção de parar.
Curiosamente, suas viagens sempre o levavam de volta ao povoado onde vivia Shakir. Assim sendo, demorou sete anos para voltar a Colinas Arenosas e Shakir estava rico outra vez. Agora vivia na casa principal da propriedade de Haddad e não na pequena cabana.
– Haddad morreu há dois anos – explicou Shakir – e, como não tinha herdeiro, decidiu deixar sua fortuna para mim como recompensa dos meus leais serviços.
Quando estava terminando sua visita, o dervishe se preparou para a viagem mais importante de sua vida: cruzaria a Arábia Saudita para fazer sua peregrinação a pé até Meca, uma antiga tradição entre seus companheiros. A despedida de seu amigo não foi diferente das outras vezes. Shakir repetiu sua frase favorita:
– Isto também passará.
Depois da peregrinação, o dervishe viajou à Índia. Ao voltar a sua terra natal, Pérsia, decidiu visitar Shakir mais uma vez para ver o que havia acontecido com ele. Assim, mais uma vez se pós em marcha para Colinas Arenosas. Mas em vez de de encontrar seu amigo Shakir, lhe mostraram uma humilde tumba com a inscrição “Isto também passará”. O dervishe ficou ainda mais surpreendido do que das outras vezes, quando o próprio Shakir havia pronunciado estas palavras.
– As riquezas vem e as riquezas se vão – pensou o dervishe – mas, como pode trocar um túmulo?
A partir de então o dervishe adquiriu o costume de visitar a tumba de seu amigo de tantos anos e passava algumas horas meditando na morada de Shakir. Entretanto, em uma de suas visitas o cemitério e a tumba haviam desaparecido, arrasados por uma enchente. Agora, o velho dervishe havia perdido o único vestígio deixado por um homem que havia marcado tão excepcionalmente as experiências de sua vida. O dervishe permaneceu durante horas nas ruínas do cemitério, olhando o chão fixamente. Finalmente, levantou a cabeça em direção ao céu e então, como se houvesse descoberto um significado mais elevado, abaixou a cabeça em sinal de confirmação e disse:
– Isto também passará.
Finalmente o dervishe ficou muito velho para viajar, decidindo se fixar e viver tranqüilo e em paz pelo resto de sua vida.
Os anos se passaram e o ancião se dedicava a ajudar a quem se acercava dele para os quais aconselhava e a compartilhar suas experiências com os jovens. Vinha gente de todas as partes para beneficiar-se de sua sabedoria. Finalmente, sua fama chegou até o grade conselheiro do rei, que casualmente estava buscando alguém com grande sabedoria.
O fato era que o rei desejava que lhe fizessem um anel. O anel teria de ser especial: devia ter uma inscrição de tal forma que quando o rei se sentisse triste, olhasse o anel e ficaria contente e se estivesse feliz, ao olhar o anel se entristeceria.
Os melhores joalheiros foram contratados e muitos homens e mulheres se apresentaram para dar sugestões sobre o anel, mas o rei não gostava de nenhuma. Então o conselheiro escreveu para o dervishe explicando a situação, pedindo ajuda e o convidando para ir ao palácio. Sem abandonar sua casa, o dervishe enviou sua resposta.
Poucos dias mais tarde, um anel foi feito com uma esmeralda e foi entregue ao rei. O rei, que havia estado deprimido por vários dias, mal o recebeu, botou o anel no dedo e olhando-o, deu um suspiro de decepção.
Logo começou a sorrir e, pouco depois, ria às gargalhadas.
No anel que usava estavam escritas as palavras “Isto também passará”. 
Farid Ud Din Attar – Histórias da Terra dos Sufis
psiquismodesmistificado

Obrigado por tudo meu mestre

Pai,
Palavra mágica. Assim como “mãe” tem apenas 3 letras. Palavras curtas com tamanha importância e grandiosidade.

dia-dos-pais

Pai,
Por definição, no dicionário, aquele que tem 1 ou mais filhos. O gerador, genitor, cuidador, benfeitor.
Mas pai pode ter filhos e não ser pai. Pode ser o genitor e nem conhecer seus descendentes. Pode conviver com seus filhos e ser um carrasco e agressor.
Pai,
Não é aquele que dá o direito de um sobrenome no documento de identidade. Não é aquele que simplesmente paga a pensão de filhos para cumprir obrigações. Nem tampouco aquele que dá dinheiro para comprar atenção ou substitui afeto.
Os dicionários pecam em suas definições quando se limitam às regras gramaticais ou semânticas. Não conseguem palpar as regras fundamentais de nossa existência: sentimentos e emoções.

Pai,

Afeto, dedicação, carinho, companheirismo, cumplicidade, confiança, amor.
Aquele que fala de seus filhos com a boca cheia de orgulho. Abraça e beija, mas também sabe o momento de ensinar e corrigir, porque quer proteger e o melhor para seus filhos.
Não perde a paciência para responder aos intermináveis questionamentos e dúvidas de seus pequeninos.
É aquele no qual você se espelha, mesmo sem perceber, imitando seus gestos e comportamentos, porque você o admira (mesmo que não saiba).
Naturalmente, as características de um verdadeiro pai também cabem a uma boa mãe. Mas cada um tem seu papel e importância diante de seus filhos.
Ainda sou daquele tempo em que se trata os pais com distinção, chamando-os de “senhor” e pedindo bênçãos.
Nada contra quem chama os pais de “você” ou chama pelo nome próprio. Mas guardo dentro de mim o aprendizado de minha infância: “ Sempre trate os mais velhos e experientes com respeito e educação”.
Sim, para qualquer criança os pais parecerão muito mais velhos (mesmo que nem tenham chegado aos 30 anos de idade).
Meu pai,
Lembro-me de alguns detalhes de minha infância. Porém, uma lembrança muito marcante é que nunca aceitei que qualquer pessoa de ti mal falasse. Lembro-me, como se hoje fosse, aquele dia que em casa cheguei chorando porque um garoto da escola o havia xingado.
– não, não!! Meu pai? Ninguém poderia falar daquela forma de meu herói. Quebrava meu coração.
Claro, lembro-me também de nossos estudos quando estava no ginásio e o senhor me ensinava conjugar os verbos da língua portuguesa (minha nota na prova, claro, foi fantástica), assim como os estudos de História, tão bem narrados de forma ilustrativa e simples compreensão, através de seu conhecimento.
Lembro de seu entusiasmo ouvindo atentamente sobre minhas descobertas na faculdade. Lembro-me de minha formatura. Guardo a imagem de sua emoção, com olhos úmidos e brilhantes.
Enfim, são tantas lembranças que vão surgindo neste instante.
Hoje adulto sei que o senhor não é perfeito, mas ninguém o é. Todos temos fraquezas e falhas. Mas também sei de seu valor como pai maravilhoso.
Hoje, invertemos os papéis. Sou eu que te cuido, converso, instruo e até dou broncas. Mas porque o quero bem.
Hoje fico preocupado e triste se não o vejo com a saúde tão perfeita.
Hoje sou eu que converso com Deus (nosso Pai Maior) e peço que te cuide.
Porque quando os pais envelhecem e sua saúde demonstra o passar dos anos, dói aos nossos olhos notar a fragilidade e vulnerabilidade.
Por isso, quando chegamos a esse momento da vida é comum a inversão dos papéis.
A dedicação, o afeto e amor permanecem no mesmo pai – filhos. Mas agora é nossa vez de assumir os cuidados.
A vida é assim. Filhos tornam-se pais, que um dia acabarão por se tornar filhos de seus filhos.
Hoje sei muito bem o que um pai sente por filho e, claro, tento me inspirar no papel de um verdadeiro pai.
Sei que não sou um herói, mas quero deixar ao meu filho lembranças de um grande pai.
Ao meu filho, como pai, deixo um grande beijo.
Ao meu pai, como filho, deixo um beijo com muito carinho.
Obrigado por tudo meu Mestre.
psiquismodesmistificado

O que seu corpo fala quando suas emoções se calam.

 Dores, desconforto e tensões podem ser emoções que não expressamos e deixamos presas dentro do corpo. Preste atenção!
Observe a linguagem que usamos para falar das nossas reações emocionais. Normalmente existe uma sensação física associada a elas: um caroço na garganta, borboletas no estômago, falta de ar, o peso do mundo nos ombros. Isso não é mera coincidência. Essas reações viscerais são mensagens do nosso corpo.
Chamamos de “conexão entre mente e corpo”. Essas reações são associadas com o uso da mente – através de pensamentos positivos – para ajudar a melhorar o estado geral do corpo, sua imunidade e provocar sensação de bem estar. Embora usar a mente para atingir o corpo seja extremamente útil e preciso, não podemos ignorar que nosso corpo pode também ser uma forma de acessar e tratar nossas emoções mais escondidas.
emocoes-no-corpo
É comum que a maioria de nós lembremos daquele tempo em que expressar uma emoção era desencorajado pelos adultos que nos cercavam. Se você chorasse, por exemplo, os pais mandavam parar e “deixar de frescura”. Entre amigos era totalmente inimaginável demostrar qualquer tipo de emoção ( seria marcado pelo resto da vida como um “fracote” ). Ainda hoje, pais dizem para as crianças que “sejam valentes”, ou “engulam o choro”. Ou ainda diminuem suas sensações de dor com o clássico “não foi nada”. Nossos corpos simplesmente gravam aquilo que acontece com nossas emoções – mesmo que tenhamos sido convencidos intelectualmente a lidar com elas, ou a ignorá-las. O impacto físico e emocional de dores e sentimentos não expressados é algo que perdura. Fica marcado.
Abaixo há uma ilustração de padrões típicos de emoções guardadas no corpo, reconhecidas pelas entidades de trabalhos corporais. Cada pessoa desenvolve também seus padrões individuais, mas esses são alguns dos padrões mais comuns:
Dores-e-Psiquismo
Nossos corpos sabem das coisas que nossas mentes gostariam de se livrar. Das coisas que estão esquecidas em algum nível de consciência, estão sempre presentes concretamente no corpo. A boa notícia é que nunca é tarde para acessar esses assuntos, e que os resultados de um olhar para o corpo, podem afetar tanto o plano físico como o mental e emocional. Alguns passos que você pode dar para liberar emoções mal resolvidas:
1) Encontre uma atividade física diária que você goste. Mas preste atenção que não se trata de “faça exercício”. Cuidar do corpo é importante, mas a intenção aqui é ser feliz, através do olhar para o corpo. Portanto tem que ser alguma atividade que amamos fazer. É interessante também que seja algo que acalme um pouco a mente. Muitas pessoas encontram na ioga, nas corridas e outras atividades do gênero esse componente meditativo. Pode ser simplesmente uma caminhada silenciosa de dez minutos, onde você pode prestar atenção na sua respiração e outras sensações corporais.
2) Receber algum trabalho corporal com freqüência. Massagens terapêuticas são uma das formas mais efetivas de se liberar emoções guardadas. Quando alguém trabalha nos nódulos do pescoço, onde guardamos estresse e raiva por tanto tempo, as emoções começam a vir à tona. É comum ver clientes chorando nas mesas dos massagistas. É importante somente lembrar que os profissionais de terapias corporais não são psicoterapeutas, portanto são tidos como agentes auxiliares para liberar as emoções e iniciar o processo de cura, individual de cada um, que pode necessitar em outro momento de ajuda de outros profissionais.
3) Fazer do toque parte integrante de nossos relacionamentos primários. Isso soa simples, óbvio até. Mas infelizmente podemos nos deixar levar pela cultura do “não-me-toque”. Cada vez menos as nossas interações diárias envolvem o toque. Na medida que apoiamos nossas estratégias de comunicação nas mídias sociais e demais tecnologias, nossos relacionamentos tem menos contato corpo a corpo do que precisamos. Encoste nas pessoas, nos braços ou ombros, quando fala com elas. Cumprimente os amigos com um abraço. Vá jogar basquete com os amigos, ao invés de assistir na TV. Quando começarmos a compreender que não somos mentes presas dentro de um corpo, e sim mente e corpo atuando em perfeita harmonia, podemos começar a curar velhas feridas de uma forma mais profunda e duradora.
centros-emocionais-no-corpo
Fonte: The Good Men Project

Gaste bem o seu saldo bancário

O amanhã ainda é um mistério
Imagine que você tem uma conta corrente e a cada manhã você acorda com um saldo de R$ 86.400,00. 


Só que não é permitido transferir o saldo do dia para o dia seguinte. Todas as noites, seu saldo é zerado, mesmo que você não tenha conseguido gastá-lo durante o dia. O que você faz? Você irá gastar cada centavo, é claro!

Todos nós somos clientes desse banco de que estamos falando. Chama-se TEMPO. 

Todas as manhãs, são creditados, para cada um, 86.400 segundos. 
Todas as noites, o saldo é debitado como perda. 
Não é permitido acumular esse saldo para o dia seguinte. 
Todas as manhãs, sua conta é inicializada e, todas as noites, as sobras do dia evaporam-se. 
Não há volta. Você precisa gastar, vivendo no presente o seu depósito diário. 
Invista, então, no que for melhor: na saúde, na felicidade e no sucesso! O relógio está correndo. 
Faça o melhor para o seu dia-a-dia. 
Para você perceber o valor de UM ANO, pergunte a um estudante que repetiu de ano. 
Para você perceber o valor de UM MÊS, pergunte para uma mãe que teve o seu bebê prematuramente. 
Para você perceber o valor de UMA SEMANA, pergunte a um editor de um jornal semanal. 
Para você perceber o valor de UMA HORA, pergunte aos enamorados que estão esperando para se encontrar. 
Para você perceber o valor de UM MINUTO, pergunte a uma pessoa que perdeu um avião.
Para você perceber o valor de UM SEGUNDO, pergunte a uma pessoa que conseguiu evitar um acidente. 
Para você perceber o valor de UM MILISEGUNDO, pergunte a alguém que venceu a medalha de prata em uma Olimpíada. 
Valorize cada momento que você tem! E valorize mais, porque você deve dividir com alguém especial, especial suficiente para gastar o seu tempo junto com você. 
Lembre-se de que o tempo não espera por ninguém. 
Ontem é história.
O amanhã é um mistério. 
O hoje é uma dádiva; por isso, é chamado de PRESENTE ! 
 Psiquismo Desmistificado

Você faz toda a diferença

Uma professora de determinado colégio decidiu homenagear cada um dos seus formandos dizendo-lhes da diferença que tinham feito em sua vida de mestra.
Chamou um de cada vez para frente da classe. Começou dizendo a cada um a diferença que tinham feito para ela e para os outros da turma.
Então deu a cada um uma fita azul, gravada com letras douradas que diziam: “Quem Eu Sou Faz a Diferença”.

Mais adiante, resolveu propor um Projeto para a turma, para que pudessem ver o impacto que o reconhecimento positivo pode ter sobre uma comunidade.
Deu aos alunos mais três fitas azuis para cada um, com os mesmos dizeres, e os orientou a entregarem as fitas para as pessoas de seu conhecimento que achavam que desempenhavam um papel diferente. Mas que deveriam poder acompanhar os resultados para ver quem homenagearia quem, e informar esses resultados à classe ao fim de uma semana.
Um dos rapazes procurou um executivo iniciante em uma empresa próxima, e o homenageou por tê-lo ajudado a planejar sua carreira. Deu-lhe uma fita azul, pregando-a em sua camisa. Feito isso, deu-lhe as outras duas fitas dizendo:
“Estamos desenvolvendo um projeto de classe sobre reconhecimento, e gostaríamos que você escolhesse alguém para homenagear, entregando-lhe uma fita azul, e mais outra, para que ela, por sua vez, também possa homenagear a uma outra pessoa, e manter este processo vivo. Mas depois, por favor, me conte o que perceber ter acontecido.”
Mais tarde, naquele dia, o executivo iniciante procurou seu chefe, que era conhecido, por sinal, como uma pessoa de difícil trato. Fez seu chefe sentar, disse-lhe que o admirava muito por ser um gênio criativo. O chefe pareceu ficar muito surpreso. O executivo subalterno perguntou a ele se aceitaria uma fita azul e se lhe permitiria colocá-la nele.
O chefe surpreso disse: “É claro.” Afixando a fita no bolso da lapela, bem acima do coração, o executivo deu-lhe mais uma fita azul igual e pediu: “Leve esta outra fita e passe-a a alguém que você também admira muito.” E explicou sobre o projeto de classe do menino que havia dado a fita a ele próprio.
No final do dia, quando o chefe chegou a sua casa, chamou seu filho de 14 anos e o fez sentar-se diante dele. E disse:
“A coisa mais incrível me aconteceu hoje. Eu estava na minha sala e um dos executivos subalternos veio e me deu uma fita azul pelo meu gênio criativo. Imagine só! Ele acha que sou um gênio! Então me colocou esta fita que diz que “Quem Eu Sou Faz a Diferença”. Deu-me uma fita a mais pedindo que eu escolhesse alguma outra pessoa que eu achasse merecedora de igual reconhecimento.” Quando vinha para casa, enquanto dirigia, fiquei pensando em quem eu escolheria e pensei em você…
Gostaria de homenageá-lo. “Meus dias são muito caóticos e quando chego em casa, não dou muita atenção a você. As vezes grito com você por não conseguir notas melhores na escola, e por seu quarto estar sempre uma bagunça. Mas por alguma razão, hoje, agora, me deu vontade de tê-lo à minha frente. Simplesmente, sabe, para dizer a você, que você faz uma grande diferença para mim. Além de sua mãe, você é a pessoa mais importante da minha vida. Você é um grande garoto filho, e eu te amo!”
O menino, pego de surpresa, desandou a chorar convulsivamente sem parar. Ele olhou seu pai e falou entre lágrimas:
“Pai, poucas horas atrás eu estava no meu quarto e escrevi uma carta de despedida endereçada a você e à mamãe, explicando porque havia decidido suicidar e lhes pedindo perdão”. Pretendia me matar enquanto vocês dormiam. Achei que vocês não se importavam comigo. “A carta está lá em cima, mas acho que afinal, não vou precisar dela mesmo.” Seu pai foi lá em cima e encontrou uma carta cheia de angústia e de dor.
O homem foi para o trabalho no dia seguinte completamente mudado. Ele não era mais ranzinza e fez questão de que cada um dos seus subordinados soubesse a diferença que cada um fazia. O executivo que deu origem a isso ajudou muitos outros a planejarem suas carreiras e nunca esqueceu de lhes dizer que cada um havia feito uma diferença em sua vida… Sendo um deles o filho do próprio chefe.
A conseqüência desse projeto é que cada um dos alunos que participou dele aprendeu uma grande lição. De que “Quem Você É Faz sim, uma Grande Diferença”.
Você não precisa passar isso adiante para ninguém… Nem para duas nem para duzentas pessoas. Continue a sua vida como você acha que está bom para você.
Por outro lado, se quiser, pode enviar para aquelas pessoas que significaram ou significam algo para você, sejam quantas forem. Ou por outro lado, simplesmente sorria quando lhe escrevo que estou lhe mandando isso porque você é importante para mim, cada um de vocês é importante para mim, senão não os teria incluído na minha lista de envio. Quem você é na minha vida, faz muita diferença para mim, e eu queria que vocês soubessem disso.
“Quem Eu Sou Faz a Diferença”
Eis aqui a sua fita azul!

psiquismodesmistificado

Não tenha medo de ser feliz

Não tenha medo de ser feliz. A felicidade está dentro de você e se manifesta conforme você encara o mundo exterior.

Viva e valorize a sua vida. Seja feliz sempre!






Curta cada momento de sua vida. Aproveite todos os minutos ao lado de quem você ama. Procure fazer somente o que você gosta. Vá atrás de seus sonhos.
Não tenha medo de ser feliz. A felicidade está dentro de você e se manifesta conforme você encara o mundo exterior.
Se você enfrentar a vida com otimismo e segurança, você conseguirá controlar as suas emoções e se sentirá forte e inabalável.
Seja você mesmo, não queira ser igual aos outros ou ficar de olho nos dons de seu semelhante.
Cada um tem seu valor. Cada pessoa é única. Não tenha inveja de ninguém. Você é especial, perfeito, saudável e com capacidade de criar.
Prossiga sempre sorrindo nesta sua caminhada e não olhe para trás. Os problemas fazem parte do seu passado. Seja feliz. Seus erros anteriores servem para você não cometê-los mais e se tornar uma pessoa melhor.
Tome decisões corretas. Não se preocupe com o que os outros pensam de você e sim com o que você pensa de si mesmo.
Do modo como você se enxerga os outros te enxergarão. Se você se valorizar, certamente os outros te valorizarão.
O tempo passa como um raio. Aproveite os bons momentos e apague de sua mente os maus.
Faça somente o bem, não queira prejudicar ninguém. O mal que você quer para o seu semelhante pode voltar para você mesmo.
Esqueça a vingança e não se preocupe com o outro, pois a pessoa colhe o que planta. É a lei natural da vida. Não fique se remoendo para o outro pagar o que fez, pois cada um terá o seu momento de arcar com as consequências dos seus atos.
Não tenha medo de ser feliz. Você tem um Deus real que sabe todas as coisas e quer somente a sua felicidade.
Viva e valorize a sua vida. Seja feliz sempre!


Máquinas

“Danem-se dogmas….. 
pois não somos máquinas” – Stuka Angyali


Você já sentiu medo? Já ficou assustado ou verdadeiramente apavorado?
Você já se sentiu triste ou angustiado, mesmo sem compreender o motivo?
Você já se sentiu agitado, inquieto, insone, tenso, deslocado?
Você já se sentiu alegre?….mesmo sem qualquer motivo?
Você já sentiu???
Sabe o que é sentir? Sabe o que é emoção?
Já sentiu dor?
Não….não estou falando de dor física. Não estou falando da dor de um ferimento na pele, da dor de estômago, da dor de cabeça, da dor do infarto…
Não…não!!!
Estou falando da dor invisível. Que maluquice, não é mesmo!? Afinal, se é invisível não existe!
Pois é!! É assim que todos julgam. É assim que todos pensam.
“Isso não existe”, “isso é da cabeça”, “precisa achar um trabalho”, “frescura”
Palavras lançadas como flechas que causam mais dor para quem a sente.
Dores na alma são invisíveis.
Dores na alma são subjetivas….
Dores na alma não aparecem em fotografias de Rx…
Dores na alma não são aferidas no esfigmomanômetro….
Dores na alma não são calculadas em resultados sanguíneos.
Ahhhh! Mas que exagero!! Diriam alguns….
Não há exagero quando o doente é você!
Não há exagero quando o doente é alguém muito próximo, de seu convívio familiar.
Não há exagero quando você se torna responsável diante de um ser humano que se encontra à sua frente, desesperado, desesperançado, apavorado, nocauteado pelos próprios sentimentos.
Não há exagero quando você se torna a última esperança para a vida de alguém…
Sim, é assim mesmo que se sente alguém adoecido emocionalmente, tentando se agarrar a qualquer fio de esperança ou salvação diante daquilo que sente.
Qualquer pessoa que já tenha sofrido de um adoecimento emocional, ou que tenha convivido com tal situação, sabe quão difícil e lento é o processo de recuperação.
Doenças físicas, de forma geral, são facilmente diagnosticadas e tratadas de forma breve, com resolução do problema.
Doenças psíquicas, ou emocionais, exigem muito mais tempo de acompanhamento médico e psicológico, não sendo incomum a exigência de um tratamento até o fim da vida.
Aliás, muitas vezes sendo possível fazer uma analogia corriqueira com doenças do corpo, ou clínicas, como hipertensão arterial ou diabetes, que quase sempre exigirão um tratamento e uso de medicamentos por toda a vida, após diagnosticados.
Então, surge a infeliz constatação: em pleno ano 2015 ainda existe preconceito e discriminação contra pessoas que adoecem mentalmente.
Como definir isso? Lastimável?
Todos nascemos verdadeiramente ignorantes, uma vez que não temos quaisquer conhecimentos acerca do mundo que nos cerca. Com o passar dos anos, em que crescemos e aprendemos, podemos conseguir conhecimento maior sobre os variados assuntos e situações da vida.
Mas ser verdadeiramente ignorante é não querer aprender ou entender sobre algo.
É inaceitável fazer um discurso contra pessoas adoecidas emocionalmente. Mas pior é tentar afirmar que os tratamentos existentes são escravizadores ou que servem somente para dopar, robotizar, ou tornar pessoas dependentes de remédios.
Então quem usa um medicamento anti-hipertensivo não é dependente?
Quem usa um medicamento para diabetes, asma, lúpus, HIV não é dependente?
Você já mandou alguém parar de tomar remédio para AIDS, porque ele ficaria dependente? Não cometeria essa “loucura” não é mesmo!
Mas quantas vezes você já ouviu alguém falando mal de remédios relacionados ao tratamento psiquiátrico??….nem precisaria responder.
Crises de pânico, ansiedade, angústia, fobias….
Crises psicóticas, medo, desespero, alucinações…
Crises depressivas, vazio, desesperança….
Crises do eu…do nós….de todos….
Mas sei que defendo, sim, com unhas e dentes, todos que sofrem na alma.
Sei bem o que é um sorriso de agradecimento, onde antes havia somente tristeza e vazio.
Sei bem o que é um olhar de tranquilidade, onde antes havia medo, pavor e uma mente perdida dentro de seus próprios labirintos.
Sei bem o que é um abraço verdadeiramente carinhoso, onde antes a angústia e a tristeza impediam qualquer esboço de reação afetiva.
Sei bem o que são palavras ditas em cada momento, antes, durante e depois…
E sei, também, que amor pelo próximo não deve ficar restrito a orações vazias ou meras repetições.
Pense a respeito….reflita….sinta…
Você também é um ser humano…formado por células, tecidos, órgãos, ossos e músculos…
Mas se não tivesse sentimentos ou emoções…..seria apenas uma máquina ou robô.